terça-feira, 19 de outubro de 2010

O que Falta????



Aline Serzedello Vilaça

Tenho visto algumas lágrimas,

Para ser sincera,

Tenho visto um rio de lágrimas...


Deveria hoje falar sobre o Bando de Teatro Olodum, como propôs na última coluna,

Explicar e/ou divulgar melhor o I Seminário Argumentos do Corpo que colocarei um cartaz logo abaixo,

Ou deveria contar como foi o ENEARTE na bela cidade de Ouro Preto, ou ao menos cumprir minha intenção(função) nesta revista e dialogar neste deliciosoBar a cerca de Dança, Música, Fazer Artístico...

Mas acontece que tenho visto muitas lágrimas...

E pensando objetivamente, cheguei à conclusão que está secreção tem vindo do coração, e com isso uma secreção fisiológica que apresenta toda a objetividade que segue uma lógica racionalmente compreensível, deixa de ser uma secreção fisiológica e passa a ser uma resposta esmagadora, subjetiva incontrolável do coração.

Coração este, que também deixa de ser um músculo na posição medial, de funcionamento que mantém uma lógica racionalmente compreensível e passa a ser o lar de origem das lágrimas.

Pensemos sobre o Lar,

o coração, aqui o entendemos como Lar, quando alcança esta posição e passa a contemplar tal denominação, em suma, adquira status de local onde tudo que é mais sagrado, verdadeiro, sincero, secreto e carinhoso de uma pessoa, será cuidadosamente guardado, escondido a salva neste não mais simples músculo.

Assim, quando uma Segunda pessoa

descontroladamente, desrespeitosamente, munida de violentas invasões permitidas falsamente românticas, rompe o esconderijo do mais profundo eu, É, neste exato segundo que passam a jorrar salgadas lágrimas e mais lágrimas

e como muitos poetas já definiram

eis que temos mais um coração partido...

Mas observe, não se trata de um músculo estirado,

trata-se de todo um sistema de crenças, permissões, carinho, liberdades, e pelo montante de lágrimas, um sistema de Amor,

que furiosamente e como sempre de maneira repentina fora fuzilado, bombardeado, partido!

Mas...

Toda essa explicação me cansa

Porque um coração partido

Obtém sim, um rio de lágrimas!

Diante disso,

parei de me perguntar

O que Falta

Para poder secá-las?

E sem mais delongas

Já que não está ao meu alcance

Secá-las...

Desejo amiga minha

Que tudo que foi permitido, mas repentinamente fora partido

Se refaça;

Que as lágrimas cicatrizem os estilhaços

E que daquele Segundo

Só restem as lembranças boas

E como todo romântico, feito aqueles de Vander Lee,

No próximo minuto, estejas pronta para Amar de novo!

Confesso que

Protegida, na ridícula pretensão de conseguir evitar o amar

Não sei exatamente o que sentes

Mas

Carrego uma certeza,

Nenhuma lágrima foi em vão

Pois,

Mais vale respirar

se puder fazê-lo Amando!!!

Queridos amigos do Bar Contemporartes, na próxima coluna voltarei a discutir Arte, aliás, a discutir quanto amor há na Arte!!!

Beijoss

Aline Serze Vilaça







1 comentários:

May disse...

Lindona... suas palavras sempre sinceras e consistentes!
Me pego pensando este rio correndo dos olhos pro mar sem-fundo do peito, onde sumindo guardadas no meio da blusa...

Você é luz sem fim!

25 de outubro de 2010 18:22

Postar um comentário

Seja educado. Comentários de teor ofensivo serão deletados.