segunda-feira, 2 de março de 2015

Centro Cultural Alpharrabio & UFABC: um corredor cultural para formação, pesquisa e extensão acerca da memória e da história cultural da produção e difusão das linguagens da literatura e das artes na região do ABC paulista



O Centro Cultural Alpharrabio, também livraria e editora independente, foi fundado em fevereiro de 1992, na cidade de Santo André, sendo a iniciativa definida em seu convite de inauguração como “muito mais que uma livraria, um ponto de encontro cultural, um centro irradiador e procriador de idéias”. Em 2015, com uma festa-sarau e uma exposição fantástica feita a partir de achados e guardados encontrados dentro de livros antigos, o Centro Cultural Alpharrabio completou 23 anos como parte da história cultural e artística não apenas da cidade de Santo André, mas de toda a região do ABC paulista, pois tornou-se um polo de debates, criações e produções artísticas e culturais, abrigando artistas, grupos e agentes culturais, educadores, estudantes e membros da comunidade da região metropolitana, desenvolvendo ações de apoio às mais variadas expressões artísticas e manifestações culturais que representam a rica diversidade cultural da região.


Capa do Blog do Centro Cultural Alpharrabio, com a fachada de sua sede na R. Eduardo Monteiro,151 - Santo André - SP

Desde 2002, ao completar dez anos, o Centro Cultural Alpharrabio abriu um site (www.alpharrabio.com.br) através do qual divulga atividades cujo portfólio está amplamente documentado também no livro “12 Anos uma história em curso” (Edições Alpharrabio, 2004). Em 2007, foi criado o blog (http://alpharrabio.com.br/blog/), considerado um caderno virtual de registros do cotidiano e das ações do Centro Cultural Alpharrabio.
O Centro Cultural Alpharrabio é coordenado por Dalila Teles Veras, personalidade literária e reconhecida agente cultural da região do ABC paulista, posto que é poeta, cronista, blogueira, editora, livreira e ativista cultural. Desde 1992 dirige, junto com Luzia Teles Veras, responsável pela produção editorial e curadoria de atividades artísticas e culturais, a Alpharrabio, livraria, editora e centro cultural em Santo André, SP, referência na região voltada para a divulgação da cultura e das artes no Grande ABC. Desde 2007, Dalila Teles Veras também coordena o Fórum Permanente de Debates Culturais do Grande ABC.

O Projeto aprovado para compor o Plano de Cultura da Universidade Federal do ABC (UFABC), “Centro Cultural Alpharrabio &UFABC: um corredor cultural para formação, pesquisa e extensão acerca da memória e da história cultural da produção e difusão das linguagens da literatura e das artes na região do ABC paulista”, é fruto de uma parceria entre o Grupo de Pesquisa e Extensão ABC das Diversidades (UFABC) e o Centro Cultural Alpharrabio, fundado em 1992, que abriga o ABCs Núcleo de Referência e Memória, constituído por um acervo de mais de mil livros, hemeroteca, revistas e documentos diversos de autores residentes na região, bem como estudos diversos sobre o ABC, incluindo teses e dissertações acadêmicas, aberto aos pesquisadores e interessados na história cultural da região do Grande ABC paulista.

Propomos a formalização do corredor cultural, literário e artístico Centro Cultural Alpharrabio & UFABC, para desenvolver e apoiar a circulação entre a Universidade e o Centro Cultural de saberes e conhecimentos referentes à diversidade cultural da região por meio de ações artísticas e de formação culturais, sobretudo, organizando e disponibilizando para as comunidades acadêmica e artístico-culturais o rico acervo do ABCs Núcleo de Referência e Memória, promovendo assim pesquisa e extensão acerca da produção e difusão das linguagens da literatura e das artes na região do ABC paulista.

É sabido que o Centro Cultural Alpharrabio está presente há mais de vinte anos na região do ABC paulista, fomentando a produção e difusão das Artes e suas linguagens em interface com a Literatura; e, desde 1998, colocando à disposição de estudantes, pesquisadores, artistas e agentes culturais um amplo e específico acervo que se constitui num local único de memória e patrimônio artístico-cultural sobre Arte e Cultura; contribuindo com o mapeamento da diversidade cultural da região, bem como com a formação, a pesquisa, a extensão e a inovação quanto às ações artístico-culturais e às políticas culturais e educacionais no ABC paulista.



Exposição Perdidos - Achados - Escritos, cuja abertura foi na festa do aniversário dos 23 anos do Centro Cultural Alpharrabio, em 21 de fevereiro de 2015, que contou com a presença maçiça de escritores e artistas da região do ABC 

A partir de 2010, com a criação do Grupo de Pesquisa e Extensão ABC das Diversidades na UFABC passou a ser ampliada a circulação de inúmeros estudantes, artistas, pesquisadores, educadores e agentes culturais, configurando-se um forte elo entre a Universidade e este tradicional espaço cultural independente da região. Tem sido por meio da presença frequente em várias ações culturais do Centro Cultural Alpharrabio e, sobretudo, junto ao ABCs Núcleo de Referência e Memória que estas comunidades acadêmica e externa têm ampliado sua formação, com desenvolvimento de pesquisa e extensão acerca da produção e difusão das linguagens da Literatura e das Artes na região do ABC paulista. Portanto, propomos a formalização do corredor cultural, literário e artístico Centro Cultural Alpharrabio & UFABC, com os objetivos de:
a) organizar, digitalizar, catalogar e disponibilizar o acervo de história cultural ABCs Núcleo de Referência e Memória;
b) desenvolver ações culturais e oficinas que interliguem o acervo com a formação, a pesquisa, a extensão e a inovação quanto às ações artístico-culturais e às políticas culturais e educacionais da região do ABC;
c) contribuir com o fomento, sob a forma de um corredor cultural, histórico-literário-artístico entre o Centro Cultural Alpharrabio e a UFABC, à circulação da produção e difusão das artes e suas linguagens em interface com a literatura existentes graças à colaboração entre a comunidade acadêmica e aos artistas e agentes culturais deste espaço cultural independente.

Complementamos a justificativa para este projeto, que agora também compõe o Plano de Cultura da UFABC a ser apresentado ao Ministério da Cultura (MinC), com o riquíssimo depoimento da coordenadora do Centro Cultural Alpharrabio, Dalila Teles Veras, personalidade literária e reconhecida agente cultural da região do ABC paulista, por ser poeta, cronista, blogueira, editora, livreira e ativista cultural: “O Núcleo ABCs é parte integrante de um projeto maior, o Alpharrabio (Livraria, Editora e Centro Cultural), fundada em 1992, em Santo André, SP, que, por sua ação ininterrupta de fomento à cultura é referência cultural. Muito mais que uma simples livraria de livros usados, como reza seu contrato social, foi idealizado como polo fomentador da produção cultural e do debate de ideias. Um lugar de estar, onde as pessoas se reconhecem como seres culturais, um lugar com significados e pertencimento.

Iniciado com o acervo pessoal da proprietária, escritora e ativista cultural residente em Santo André desde 1972, o ABCs é inovador por ser a única biblioteca particular do gênero aberta a pesquisadores na região do ABC dedicada a preservar e divulgar a memória da história e cultura local. Além dos livros, guarda inúmeros depoimentos em áudio e vídeo de personalidades da cultura, muitos dos quais já impressos, além de um acervo de milhares de imagens das dezenas de centenas de atividades realizados no espaço físico Alpharrabio.”

Também trazemos para justificar a importância para formação, pesquisa e extensão acerca da memória e da história cultural da produção e difusão das linguagens da literatura e das artes na região do ABC paulista da criação do corredor cultural, histórico-literário-artístico Centro Cultural Alpharrabio & UFABC as contribuições de Dalila Teles Veras para uma história das editoras independentes no Brasil quando trata da Edições Alpharrabio:

“Editar livros não foi propriamente uma escolha, mas o resultado de determinadas circunstâncias. Em decorrência do encontro permanente de pessoas interessadas em literatura, a efervescência artístico-cultural instalada, fez-se urgente a criação de uma editora que desse conta de registrar e divulgar a notável produção literária e do pensamento ao redor. Graças ao decisivo entusiasmo e capacidade criativa de Luzia Maninha Teles Veras, criamos a chancela Alpharrabio Edições.
Desde então, seguimos com a tarefa sem fim, sem jamais descuidar do rigor em nossa linha editorial que, diga-se, já projetou além fronteiras muitos de nossos autores. Pela estreita relação que estabelecemos com estes, nosso catálogo foi-se compondo majoritariamente por escritores residentes na região do ABC, onde estamos fisicamente estabelecidos. Longe de qualquer caráter regionalista ou coisa que o valha, aquilo que seria apenas um dado facilitador do trabalho, acabou por compor uma certa cartografia literária de uma região fortemente industrializada, mais conhecida pelo mundo do trabalho.
Ao lado de edições comerciais, também nos dedicamos a edições alternativas, artísticas e artesanais, com tiragens que vão de 38 a, no máximo, 300 exemplares. (…) Na contramão de uma sociedade em permanente revolução tecnológica, que supervaloriza hipérboles, assumimos cada vez mais essa condição, movidos a paixão e comprometimento. Num tempo de urgências, optamos pela "slow edition", que vai do computador caseiro a uma gráfica, passando eventualmente pela tipografia do mestre Raul e sempre pelo "Casulo 3x4" de Maninha, na certeza de que esta silenciosa revolução representa não só um gesto de resistência, como também um projeto político e cidadão.
Por fim, devo confessar que, ao menos uma vez por ano, baixa um certo desânimo e a ideia de encerrar as atividades é muito forte. Mas logo volto atrás, convencida, afinal, pelos mais próximos, de que esta história foi construída por muitos e fechar um bem comum não nos é mais permitido.”


Registros de atividades culturais como o lançamento do livro "Bandido", do poeta Helio Neri, um dos frequentadores históricos do Centro Cultural Alpharrabio, assim como Júlio Mendonça, importante agente cultural da região do ABC e um dos atuais curadores da Casa das Rosas, pessoas que estão sempre promovendo debates e ações artísticas no corredor cultural

Portanto, o projeto para um corredor cultural entre o Centro Cultural Alpharrabio e a UFABC como parte do seu Plano de Cultura justifica-se pela inequívoca ligação cada vez maior entre as comunidades acadêmica da UFABC, de artistas, de escritores e de grupos da diversidade cultural. Estes agentes culturais frequentam simultaneamente a Universidade e o Centro Cultural Alpharrabio, levando e trazendo, tanto aprendendo quanto produzindo novos conhecimentos e saberes literários, artísticos e culturais em processos de ampla produção e circulação cultural. Nesse sentido, o acervo de milhares de documentos e livros ABCs Núcleo de Referência e Memória, que propomos organizar e disponibilizar digitalmente, tem a clara função de subsidiar ações e formação artísticas e culturais, ao mesmo tempo que faz a guarda da nossa memória e da história cultural regional caracterizada por tais processos de criação literária e artístico-cultural que ganham visibilidade e reconhecimento no projeto do corredor cultural Centro Cultural Alpharrabio & UFABC.

Para o desenvolvimento do Projeto “Corredor Histórico-Literário-Artístico Centro Cultural Alpharrabio–UFABC: formação, pesquisa e extensão acerca da memória e da história cultural da produção e difusão das linguagens da Literatura e das Artes na região do ABC paulista” defendemos a construção de uma metodologia transdisciplinar.
Partimos da necessidade de organizar o trabalho em torno de acervos sobre políticas culturais e expressões literário-artístico-culturais, no caso o ABCs Núcleo de Referência e Memória do Centro Cultural Alpharrabio, por perceber a urgência de se criar ligações entre saberes específicos ligados aos fazeres da cultura contemporânea para conseguir compreender e atuar sobre os problemas culturais locais e que também nos habilitam a uma intervenção no mundo que nos rodeia.
O olhar trazido pelas artes – e, sobretudo, o olhar de uma metodologia transdisciplinar no caso deste projeto do corredor cultural Centro Cultural Alpharrabio & UFABC, com foco na constante construção e disponibilização do acervo ABCs Núcleo de Referência e Memória, claramente entrelaçado com ações de formação artística, educacional e cultural – pode trazer outras visões, problemas, dilemas, soluções onde observadores de outras áreas não enxergavam nada ou muito pouco…

Em nossa perspectiva metodológica de trabalho transdisciplinar, o conhecimento e a compreensão da diversidade cultural é uma das temáticas mais destacadas, com ênfase no reconhecimento de conflitos entre culturas, e na multiplicidade de tecnologias culturais e artísticas que cada sujeito e/ou grupo social cria e utiliza para viver e lidar cotidianamente. Tudo isso pode ser conhecido e estudado, servindo de subsídios para o desenvolvimento de políticas culturais e criações literárias e artísticas, por meio da disponibilização digital do acervo ABCs Núcleo de Referência e Memória numa ação de corredor cultural entre a universidade e este centro cultural independente.


Conversa e confraternização no Centro Cultural Alpharrabio sobre Intercambio Cultural e Cultura Viva Comunitária no Peru na Semana Cultura Viva Comunitária em dezembro de 2014, com o ativista cultural peruano Eduardo Gustavo Espinoza Carrasco sob a coordenação de Dalila Teles Veras e membros do Movimento Cultura Viva em Santo André.


Nesse sentido, nossa metodologia busca conhecer as condições e as estratégias de formulação e gestão compartilhada da política cultural independente, num centro cultural que se preocupa em criar um acervo de suas práticas, ao longo de sua trajetória com mais de vinte anos na região do ABC paulista, com sistematização e análise de desenvolvimento de práticas, processos, produtos culturais, artísticos e educativos, em conjunto com a avaliação das próprias ações culturais e artísticas como parte de uma política cultural independente desenvolvida desde 1992. E que passa a interagir com a comunidade acadêmica da UFABC desde 2010, quando é criado o Bacharelado em Ciências e Humanidades e se intensificam os debates sobre a criação de um Bacharelado em Arte e Tecnologia, abrangendo propostas outros Bacharelados em Gestão de Arte e Cultura, Museologia e Curadoria e Licenciatura em Artes, em andamento.

A utilização regular do acervo do Centro Cultural Alpharrabio pela comunidade acadêmica não apenas da UFABC, mas de várias outras instituições de ensino superior da região, aponta para uma metodologia de trabalho que transita entre pesquisa quantitativa e qualitativa, com o objetivo de elaborar e disponibilizar um catálogo digital de documentos e livros como instrumento de pesquisa. Poderemos assim mapear aspectos existentes nos documentos, depoimentos e livros do acervo referentes às dinâmicas relacionadas à diversidade cultural local, que representam também o esforço de um centro cultural independente quanto à concepção e à gestão compartilhada da política cultural local e suas relações com sujeitos e grupos que atuam em circunstâncias peculiares do desenvolvimento da arte e da cultura na região.

Alguns estudantes já atuam como voluntários e os futuros bolsistas que serão contemplados para Residência Artística estarão envolvidos no processo de organização e disponibilização do acervo e dessas informações, atividade que visa fomentar o desenvolvimento de suas pesquisas para subsidiar ações de formação cultural e educativa, tais como as oficinas e ciclo de conversas e debates, bem como suas criações culturais que estarão presentes nos produtos culturais em circulação no corredor cultural (cadernos de depoimentos, livros, exposições, sites/blogs). A metodologia transdisciplinar visa propiciar, dessa forma, o entrelaçamento das atividades de ensino, pesquisa e extensão com a produção cultural no âmbito das Artes e Humanidades, por meio da valorização e da hibridização do conhecimento histórico, educativo e de linguagens literárias e artísticas.

Para finalizar, é notória a contribuição deste projeto para o Plano de Cultura da UFABC quanto ao aspecto relacionado à diversidade cultural brasileira, pois a região do ABC paulista é reconhecidamente marcada pelo fluxo incessante de migrantes e imigrantes, que construíram manifestações e expressões artísticas e culturais em diversas linguagens relacionadas à literatura, às artes em geral e à cultura popular, tradicional e contemporânea. O acervo ABCs, a ser mapeado e disponibilizado no âmbito do Projeto Corredor Histórico-Artístico-Cultural Centro Cultural Alpharrabio-UFABC, é prolífero em documentos, livros e testemunhos da riqueza dessa diversidade cultural, pois abarca desde a produção literária de editoras independentes, como a própria Alpharrabio, que dão visibilidade e reconhecimento para escritores e artistas de várias origens étnicas, estilos e hibridismos culturais, chegando à produção musical, em artes visuais e em arte e cultura popular. Graças a este acervo podemos conhecer muito da história, por exemplo, da congada em São Bernardo do Campo, da folia de reis em São Caetano do Sul, do samba rural paulista, em Mauá, da literatura de cordel e da xilogravura em Diadema, do hiphop dos jovens de toda a região. Estes são alguns dos frutos da diversidade cultural – existentes no acervo e na circulação feita no corredor cultural – representados pelo trabalho de inúmeras pessoas e grupos, provenientes de famílias migrantes ou descendentes da população indígena e afro-brasileira, junto com imigrantes portugueses (é o próprio caso da escritora e agente cultural Dalila Teles Veras, que coordena o Alpharrabio), italianos, árabes, entre outros que constituem a complexidade do hibridismo cultural do ABC paulista.    

Fontes extraídas do Blog da Alpharrabio, com textos de Dalila Teles Veras, poeta e coordenadora do Centro Cultural Alpharrabio e imagens feitas por Luzia Maninha, curadora de inúmeras exposições no Centro Cultural Alpharrabio e responsável por edições gráficas primorosas dos livros da Editora Alpharrabio:
"A América Latina unida pela cultura" 
http://alpharrabio.com.br/blog/2015/01/16/cultura-viva/
"Helio Neri autografa seu mais recente livro, Bandido"
http://alpharrabio.com.br/blog/2015/01/07/helio-neri-autografa-seu-mais-recente-livro-bandido/

Andrea Paula dos Santos Oliveira Kamensky é historiadora, focalizadora de Danças Circulares, estuda Artes Visuais, leciona na Universidade Federal do ABC (UFABC). Coordena o grupo de pesquisa ABC das Diversidades, o Curso “Gênero e Diversidade na Escola” na rede pública de educação (PROEX-UFABC/MEC/ Secr. de Direitos Humanos Pref. SP). É autora de blogs educativos, poesias e contos em livros artesanais, além do livro Ponto de Vida: cidadania de mulheres faveladas (Ed. Loyola, 1996) e co-autora dos livros Vozes da Marcha pela Terra (Ed. Loyola, 1998, finalista do Prêmio Jabuti, cat. Reportagem); Patrimônio Natural dos Campos Gerais do Paraná (Eduepg/Fund. Araucária, 2007); da Col. História em Projetos (4 v., São Paulo: Ed. Ática, 2007, ganhadora do Prêmio Jabuti, cat. Livros Didáticos, em 2008); Simão Mathias Cem Anos: Química e História da Química no início do século XXI (Ed. SBQ/Cesima, 2010); História e Memória (M. Marchiori, org., v. 4, Col. Faces da Cultura e da Comunicação Organizacional, Difusão Ed./Ed. Senac RJ, 2013).

1 comentários:

Anônimo disse...

O Alpharrabio terá um reconhecimento à altura de sua importância, ainda que para muitos cultura seja artigo supérfluo.

7 de março de 2015 13:07

Postar um comentário

Seja educado. Comentários de teor ofensivo serão deletados.