segunda-feira, 13 de março de 2017






Apresentação:

Bem vindos, amigos leitores da Contemporartes!

É uma honra poder voltar a escrever na coluna da Revista Contemporartes após ter me desligado dela há quatro anos. Volto a contribuir na publicação com fôlego renovado na seção "Artefato", onde irei abordar temas nos campos da História da Arte, Crítica de Arte, Curadoria e bens culturais, trazendo resenhas de exposições e sobre visitas a instituições culturais em São Paulo.

Hoje vou aguçar a curiosidade de nosso público fazendo leituras sobre a imagem escolhida para o logo de nossa coluna, e assim convidá-lo para uma viagem no universo iconográfico dos museus e coleções.

"Toda Paixão beira ao caos,
a do colecionador beira
o caos da memória"

Walter Benjamin, 
"Ich packe meine Bibliothek aus"

Resultado de imagem para giovanni paolo pannini, galleria de pinturas
Giovanni Paolo Pannini, Galleria de Pinturas com vistas da Roma Moderna, 1957, óleo sobre tela, Metropolitan Museum, Nova Iorque.


- O que vemos?

A cena nos remete a uma ampla galeria abarrotada de pinturas, onde também vemos algumas estatuárias antigas, provavelmente esculturas greco-romanas e renascentistas, também estruturam a coomposição robustas, solenes e longilíneas colunas com capitéis coríntios. As telas compõem um mosaico, uma miríade de imagens, como portais que absorvem nossos olhares e nos reportam para cenários familiares, paisagens de um passado remoto e esplendoroso, ruínas antigas de tempos gloriosos da História da Civilização Ocidental. Sim, da Civilização Ocidental! 
Esta imagem faz um elogio à tradição cultural construída desde os antigos gregos e romanos até os tempos das Luzes, em que se acreditava que a racionalidade purgaria a humanidade das perversidades, fruto da ignorância.
Também vemos alguns personagens na pitoresca cena. Quase que numa posição central na obra, vemos um grupo de três personagens, que espantados e maravilhados, admiram o amontoado de belezas criadas pela inventividade e engenhosidade das mãos dos artistas que as criaram. Este aspecto desta narrativa pictórica evoca um dado relevante da própria história da cultura, a criação de coleções privadas que originaram os museus. Um pouco à esquerda do grupo de figuras centrais, observamos mais um personagem, compenetrado a esboçar um estudo de uma obra segurada por outro indivíduo, à direita na cena, ou mesmo a inventar os numerosos objetos. 

A paisagem descrita é uma criação imaginária do pintor de "veduta" (pinturas de vistas de locais ou cidades),  Giovanni Paolo Pannini.
Pannini, prolífico pintor italiano, nasceu em Piacenza e estudou na escola de projetistas cênicos de Bolonha, possivelmente com algum membro da familia Galli-Bibiena (arquitetos, quadraturistas e cenógrafos, que exerceram suas atividades de cerca de 1680 a cerca de 1780 em praticamente todos os países europeus). Em 1711, quando já estava em Roma, tornou-se o principal pintor de vistas  reais e imaginárias daquela cidade. Foi pioneiro em dar especial destaque às ruínas - característica de sua pintura que o aproxima a Piranesi e a Hubert Robert. Também dedicava-se a composições de imagens de festividades públicas e ao gênero de pinturas históricas. Lecionou perspectiva na Academia Francesa, fundada por Nicolas Poussin em Roma, tendo exercido ampla influência em pintores  italianos e franceses. Muitas coleções possuem obras de sua autoria.
Capitéis de diferentes ordens arquitetônicas

A cena da obra de Pannini narra uma prática viva em nossos dias e que historicamente pode dar origem às instituições museológicas. 
O colecionismo, a prática de colecionar coisas, ligou-se, desde o início, à ideia de posse que, por sua vez, gerou o conceito de propriedade. Possuir objetos tornou-se manifestação de poder. O valor material dos objetos é transposto pelo simbólico. Assim, a coleção foi ultrapassando sua funcionalidade e tornando mais evidente seu aspecto simbólico. 
Na antiguidade, as grandes coleções estão ligadas aos senhores, reis e imperadores, mas são paralelas ao desejo das culturas de conservar, para o futuro, seu patrimônio. As gerações humanas foram moldadas pelas que as antecederam ou com elas conviveram. São culturalizadas por intermédio de um lastro cultural preexistente. Assim, forma-se um elo de continuidade mutável, baseado no fato de que o homem aprende a viver e pode aprender a viver melhor.
Segundo David Murray, "(...) Gradualmente, a palavra Museu foi sendo adotada como termo técnico para designar uma coleção de objetos de arte, de monumentos da antiguidade, ou de espécies da história natural, mineralogia e assemelhados, e de modo geral, daquilo que era conhecido como raridades e curiosidade." As primeiras coleções particulares, cujo conceito de existência leva ao ideal do que hoje chamamos de museus, eram chamadas de "Gabinetes de Curiosidades", e surgiram no século XVII na Europa. Tratava de uma coleção de objetos, pelos quais se podia conceber um microcosmo do conhecimento universal, categorizado conforme o pensamento medievo, usualmente classificando-se os objetos nos seguintes agrupamentos:  
NATURALIA (História Natural: Pedras, plantas,coleções botânicas, coleções zoológicas, homem)
• ARTIFICIALIA (Galerias de Arte)
• MIRABILIA (Bestiários: fenômenos naturais, aberrações)


Gravura, Gabinete do boticário Ferrante Imperato (1521-1609) de "Dell’historia Naturale"



File:Cabinet of Curiosities 1690s Domenico Remps.jpg
Domenico Remps, Pequeno Gabinete de Curiosidades, segunda metade do século XVII, Museo dell'Opificio delle Pietre Dure, Florence

O museu, como o conhecemos hoje, símbolo e guardião do patrimônio, reunindo artefatos da nossa memória, partícipe da transmissão de conhecimentos e reflexo da nossa identidade, começou a ser gestado na Idade Média quando a Igreja reuniu grandes coleções. 
O Renascimento italiano, com o humanismo e a investigação dos testemunhos da arte clássica e permitiu, se não a criação do conceito de museu moderno, pelo menos o precedente histórico mais relevante. 
O termo museu começou a ser utilizado, num sentido próximo do atual, por Cósimo de Médicis que aplicou-o à sua coleção de códices e curiosidades.O humanismo renascentista acrescentou ao valor hedonístico e econômico da obra de arte, herança romana, um valor formativo e científico para o homem educado. 
O valor do objeto clássico é agora estético e histórico. O material do passado aí está para recriar e interpretar a cultura clássica.
A França patrocinou um colecionismo, como forma sutil de prestígio e enriquecimento do patrimônio, e impôs, segundo Aurora Leon, o estilo da corte que foi assumido pela burguesia. Na burguesia ascendente, eram encontrados todos os tipos de colecionadores. Rica e ilustrada, ela produzia bens e consumia arte.Entrementes, já havia inquietude entre os estudiosos para que os museus fossem abertos ao público.
Até o final do séc. XVIII, as coleções tinham um caráter privado.O acesso às coleções só se efetivou com a Revolução Francesa que converteu as grandes coleções reais em museus públicos, e o museu foi estabelecido como um dos instrumentos da democratização do saber.


Louvre   - representante dos princípios do período revolucionário



Resultado de imagem para Pietro Antonio Martini
Pietro Antonio Martini (1739-1797), Exposição no salão do Louvre, 1787


Imagem relacionada
Hubert Robert (1733-1808), Projeto de organização da grande galeria do Louvre, 1796, Óleo sobre tela, 
115 x 145 cm


O Romantismo desmantelou as teorias escolásticas e neoplatônicas, resquícios das correntes literárias e filosóficas anteriores, em favor de uma filosofia que considerava que tudo o que significasse mudança levaria o homem a um estado trágico. Portanto foi significativo que a criação dos museus, no séc. XIX, tenha se utilizado da tradição para servir de apoio à existência humana. 
O museu respondeu, então, e responde hoje, à necessidade de colecionar e preservar para o futuro, completando o processo histórico da humanidade, provendo-a de outros elementos além dos da história escrita. O conhecimento do passado, através de objetos e registros que sobreviveram, se impôs, pois objetos não estão sujeitos a erros de interpretação humana.
O fim do século XIX conheceu o museu como depósito de objetos exóticos dos despojos coloniais. As expedições científicas às colônias alimentavam os acervos e transformaram os museus em instituições de pesquisa científica. A introdução da pesquisa levou o museu a especializar-se por áreas do saber e a remanejar as coleções, mas o museu ainda era voltado para si mesmo.
Todos sabemos que reconhecer o passado é conhecer-se melhor. Quem se conhece tem identidade, sentimento de pertencer, faz parte de um grupo humano específico. O desejo das culturas de conservar para o futuro seu patrimônio permitiu que através dos séculos ocorresse uma acumulação patrimonial, por isso, assinala Fernández, a realidade patrimonial precedeu a existência de uma ciência museológica. 
Mas onde guardar o patrimônio?
No início, os museus ocuparam palácios já existentes, cuja arquitetura imponente poderia, e certamente o fez, intimidar o público, além de obrigar a execução de um mínimo de adaptações para obter certa funcionalidade. 
No séc. XX a arquitetura começa a procurar a verdadeira identidade do museu, há necessidade de pensar o museu, planejar a adequação entre conteúdo e continente. Inicia-se, também, intensa atividade investigadora para elaborar as melhores formas de organizar e expor em museus.




No século XVIII, as coleções são exibidas de maneira cumulativa, procurando mostrar como a arte ocidental reflete um pensamento estruturado, sedimentado de novos mundos conquistados. 
O século XIX é marcado pela supremacia cientificista, uma radicalização do projeto iluminista, no qual o museu se torna a institucionalização do desejo da supremacia cultural.
A revitalização do museu, a partir da primeira guerra mundial, foi reflexo do sentimento do homem que passou a se sentir deslocado, perdido de suas origens, e buscou sua tradição no museu.  Outra consequência do clima pós-guerra foi o aparecimento de novos museus, principalmente em países como o Brasil que presenciou a criação do MASP (Museu de Arte de São Paulo), do MAM (Museu de Arte Moderna) de São Paulo e do MAM do Rio de Janeiro. 


Resultado de imagem para Giovanni Paolo Pannini, Galeria de Pinturas de Roma Antiga
Giovanni Paolo Pannini, Galeria de Pinturas de Roma Antiga, 1759,  óleo sobre tela



Resultado de imagem para masp cavaletes de vidro de lina bo bardi

A expografia com cavaletes de vidro e concreto, criação de Lina Bo Bardi para a galeria do acervo do Museu de Arte de São Paulo


Sejam todos bem vindos ao universo do Conhecimento, das Artes e dos seus "lugares de memória", da memória que conta a nossa história, dos feitos de nossa cultura!

eja


In ars veritas.



Bibliografia Sugerida:

APPADURAI, ArjunA vida social das coisas: as mercadorias por uma perspectiva cultural.Niterói, RJ: EdUFF, 2008.
ARGAN, Guilio Carlo. Arte e Crítica de Arte. Lisboa: Editorial Estampa, 1994.
ARGAN, Giulio Carlo; FAGIOLO, MaurizioGuia de História da Arte. Lisboa:Editorial Estampa, 1994.
AUGÉ, Marc. O sentido dos outros: Atualidades da Antropologia. Petrópolis, RJ:Vozes, 1999.
BACHELARD, GastonA poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 1993.
BENJAMIN, Walter. Magia e Técnica, Arte e Política: ensaios sobre literatura e história da cultura -Obras Escolhidas I. São Paulo: Brasiliense, 1994.
_________________. Ruade mão ùnica – Obras Ecolhidas II. São Paulo: Brasiliense, 1995.
BLOM, Philip. Ter e Manter. Rio de Janeiro: Record, 2003.
BONNOT, Thiery. La vie dês objets. Paris : Maison Sciences de L’Homme, 2002.
BOSI, Ecléa. Memória e Sociedade: Lembranças de velhos. São Paulo: Cia das Letras, 1994.
BOURDIEU, Pierre. AsRegras da Arte: gênese e estrutura do campo literário. São Paulo: Companhiadas Letras, 1996.
BOURDIEU, Pierre; DARBEL, Alain. Amor pela Arte: os museus de Arte na Europa e seus públicos. SãoPaulo: Edusp; Porto Alegre: Zouk, 2007.
BURGUIÈRE, André (Org.). Dicionário das Ciências Históricas. Rio de Janeiro: Imago, 1993.
BURKE, Peter. “História como memória social”. In: Variedades de históriacultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.
CHAGAS, Mário. Há uma gota de sangue me cada museu. Chapecó: Argos, 2006.
___________ (Org). Revista do Patrimônio: Museus. Rio de Janeiro: IPHAN, N° 31, 2005.
CHILVERS, Ian (Org.). Dicionário Oxford de Arte. São Paulo: Martins Fontes, 1996. 
FIGUEIREDO, Betânia Gonçalves; VIDAL, Diana Gonçalves (Orgs.). Museus: Dos Gabinetes de Curiosidades á Museologia Moderna. Belo Horizonte, MG: Argvmentvm; Brasília: DF, CNPq, 2005.
GELL, Alfred. Art andAgency. UK: Clarendon Press, 1998.
KARPELS, Eric. Paintings in Proust : A VisualCompanion to “In the Search of LostTime’.Londres, RU: Thames & Hudson Ltd, 2008.
LE GOFF, Jacques. “Memória”. In: História e Memória. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2003.
MATTOS, OlgariaC. F. “Reflexões sobre o amor e a mercadoria” In: Histórtia Viajante. São Paulo: Estúdio Nobel, 1997.
MAURIÈS, Patrick. Cabinets of Curiosities. Londres: Thames and Hudson, 2002.
MENESES, Ulpiano T. Bezerra de. “Do Teatro da Memória ao Laboratório da História: a exposição museológica e o conhecimento histórico.” In: Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material. Vol.2. Jan./Dez. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1994.
MILLER, Daniel. Consumo como Cultura Material. PortoAlegre: Horizontes Antropológicos: ano 13, n. 28, p. 33-63, jul./dez. 2007.
_______________. Stuffs. London: PolityPress, 2010..
PROUST, Marcel. Em busca do tempo perdido. 3 vols. Rio de Janeiro: Ediouro,2009.
SILVA, KalinaVanderlei; SILVA, Maciel Henrique. Dicionáriode Conceitos Históricos. São Paulo: Contexto, 2006.
SILVEIRA, Flávio L. A., Manuel F.L.F°. Por umaantropologia do objeto documental: entre ‘a alma nas coisa’ e a coisificação doobjetoPorto Alegre: Horizontes Antropológicos: vol 11, n. 23, junho 2005.
VIANA, NildoA Esfera ArtíticaPorto Alegre, RS: Zouk, 2007.




A imagem pode conter: 1 pessoa, óculos de sol e close-up

Mariana Zenaro  Mariana Zenaro é jornalista e historiadora, pós-graduada no MBA em Bens Culturais: Cultura, Economia e Gestão, pela Fundação Getúlio Vargas e pós-graduanda no curso de especialização em Arte: Crítica e Curadoria na Pontifícia Universidade de São Paulo (PUC-SP). Frequentou os cursos livres de História da Arte na Escola do Museu de Arte de São Paulo (MASP) por quatro anos. Trabalhou em Museus, Arquivos e Instituições Culturais. Foi voluntária no Centro de Documentação e Biblioteca do Museu de Arte Moderna de São Paulo. Dá cursos e palestras sobre história da arte em fundações, centros culturais e no Centro de Capacitação para professores da rede pública municipal de São Caetano do Sul (CECAPE- SCS).  Trabalhou em instituições culturais e museológicas e atualmente trabalha pesquisando e organizando uma coleção particular.

1 comentários:

Anônimo disse...

Mariana,
que matéria maravilhosa! riquíssima em conteúdo, ilustrações,
demonstras teu apurado rigor, conhecimento em profundidade, e um texto encantador.
Adorei, parabéns!!!!!!
Bel

18 de março de 2017 14:02

Postar um comentário

Seja educado. Comentários de teor ofensivo serão deletados.