segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Poetas Curitibanos I



por Altair de Oliveira


Em nossa coluna de poesia como a vida, apresentamos hoje uma pequena mostra de 3 momentos da boa poesia curitibana, através de poemas de Marcos Prado, Iriene Borges e Adriano Smaniotto. Poetas que, a medida do possível, pretendemos trazer aqui com mais detalhes.




A Primeira Cicatriz a Gente Nunca Esquece


ponha um baid-aid no buraco da bala
e pare de se fazer de vítima
perdeu uma perna use a outra
e vê se te manca
justiça de cego é olho por olho
e de bangela é dente por dente

nem tudo que vi acreditei
nem todo crime depende da lei
procure a felicidade perdida num tiro certo
e prove que você é um alvo esperto


Poema de Marcos Prado, In: "ultralirics"



***


Umbra


Não me ocupes

Vago em luminescências
e rotaciono aluada

Para manter a linha
da mediatriz até o complexo
da cerviz até o sexo
fui sitiada
pelo remorso de existir

No entanto, irrompes a rir
e eu singular e asceta
projeto uma sombra completa
que me intercepta o senso
bem aqui na minha rua
quando alcanço a calçada
sob o primeiro poste
à esquerda

A persigo, e não me desgoste,
não por isso, que ela é tudo
tem o talhe do teu desejo
Pisa o asfalto como meu hálito
roça teus lábios sem beijar
Tem um contorno movediço
que me traga no molejo
e danço
entre o pudor e o vestido
feito pipa no ar.

Nos amamos em teu nome
em cada canto da vila
e inventamos a saudade
de conluio com cada esquina
só assim ela me arrasta pra casa
em êxtase
e some no clarão da porta
que amanhã tem volta
e reprise.


Não me ocupes
para a distância do sorriso
se vago em luminescências

rotaciono aluada

E só me sei sitiada


Poema de Iriene Borges.

***


1.

considera as linhas por mim escritas

como um roubo à energia do sol

um convite a escurecer o dia
no enfim de religar-me ao só
iniciei uma multidão de apatias.
versejar a voz do ser é ser de si algoz


2.


tolos nós fazemos versos. velhos e novos
os outros se interessam por ouro.
da prata o que temos é um prato frio
ou a leve semelhança destas palavras.
é pra poucos ser vazio



Poema de Adriano Smaniotto, In: "diário da dor dos dias."


***


Para ver mais:

- Vídeo com o poeta Adriano Smaniotto, declamando "Alto lá, prefeito!" : http://www.youtube.com/watch?v=PJLh4jZMxd0
- Blog da poeta Iriene Borges: http://vozdeeco.blogspot.com/
- Biografia do poeta Marcos Prado (1961-1996): http://pt.wikipedia.org/wiki/Marcos_Prado




Ilustrações:
1- foto do poeta Marco Prado; 2 e 3- trabalhos do artista plástico curitibano Poty Lazzarotto.

1 comentários:

Anônimo disse...

grande poeta adriano, o maior herdeiro hoje da tradição da poesia de leminski e marcos prado.

marcio claudino

3 de novembro de 2012 11:41

Postar um comentário

Seja educado. Comentários de teor ofensivo serão deletados.