quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Blaxploitation – Quando o funk dominou o cinema



No começo da década de 70, um gênero de filmes tornava-se sucesso, embalado pela emergência dos movimentos sociais nos EUA, era o cinema blaxploitation.  Com o propósito de questionar o papel dos negros no cinema tradicional, o movimento blaxploitation - união dos termos black (negro) com exploitation (exploração) - marcou toda uma época. O primeiro grande sucesso de público foi o longa policial Shaft (1971). 

Isaac Hayes com Shaft levou a música negra ao mainstream americano

Com o sucesso de Shaft, diversos filmes blaxploitation ganharam às telas. Como qualquer gênero ou movimento cultural, a produção black da época oscilava entre obras originais e filmes que não passavam de paródias de sucessos “brancos”. Destacam-se filmes como Superfly (1972), Trouble Man (1972), Coffy (1973), Cleópatra Jones (1973), Black Caesar (1974), Foxy Brown (1974).



Suingue e balanço negro
A malandragem das ruas e a revolta contra o preconceito racial embalados em funks e souls da melhor qualidade. A trilha sonora dos filmes blaxploitation é um dos melhores momentos da história centenária do cinema. Artistas de expressão e, nos melhores momentos de suas carreiras, como Isaac Hayes, Curtis Mayfield e James Brown emprestaram seus nomes e talentos pela causa e ajudaram ainda mais a mitificar o cinema negro da década de 70.


O primeiro grande sucesso do blaxploitation, Shaft, conta com a lendária trilha de Isaac Hayes que imortalizou a canção “Them from Shaft” ganhadora do Oscar de melhor canção em 1972. O tema que surgia com um efeito de pedal wah wah na guitarra e a voz grave de Hayes exaltando o personagem que marcou toda uma geração. Nascia um cinema para o público que não queria mais saber de heróis comportados e brancos que apenas representavam a classe dominante americana. A série de filmes que exploravam a violência e, digamos a “vingança” dos negros frente ao sistema, teria como contraponto uma música de altíssima qualidade com diversos astros de gravadoras como a Motown e a Stax.


O que dizer do suingue e balanço malandro da trilha de Superfly de 1972? Curtis Mayfield cria uma obra prima em que os grooves do seu funk e soul fazem com que tenhamos uma grande simpatia pelo protagonista traficante e barra pesada. “Superfly”, “Freddie’s Dead” e “Pushman”, são alguns clássicos do disco que vendeu mais de um milhão de discos e recebeu quatro indicações do Grammy da época. Era o auge do Blaxploitation e isso refletia em mais trilhas feitas com gênios da música negra.


 Para quem deseja conhecer as trilhas (e os filmes) a coluna indica: Shaft (Isaac Hayes, 1971), Black Caesar (James Brown, 1973), Trouble Man (Marvin Gaye, 1972) e Cool Breeze (J.J. Johnson, 1973). Hell up in Harlem (Edwin Starr, 1974), Blacula (Gene Page, 1972), The Mack e Foxy Brown (Wille Hutch, 1973 e 1974 respectivamente), Cleopatra Jones (J.J. Johnson, 1973). 

As trilhas black influenciaram diversos filmes como 007 Viva e Deixe Morrer, que tem a faixa título de Paul McCartney, mas as demais canções de George Martin abusam de elementos black. Outros filmes “brancos” que traziam trilhas negras são Bullit (1968) com muito cool jazz, Dirty Harry – O Perseguidor Implacável (1971) e Operação Dragão (1973), entre outros.




1 comentários:

Soraia O. Costa disse...

Obrigada pelas dicas e suas referências!

1 de outubro de 2011 23:19

Postar um comentário

Seja educado. Comentários de teor ofensivo serão deletados.