sábado, 31 de maio de 2014

ANDRÉS BUKOWINSKI – UMA VIDA EM MAIS DE 3000 FILMES



Em novembro de 2013 foi lançada na Polônia, a biografia de autoria de Aleksandra Pluta sobre o famoso cineasta polonês de publicidade, radicado em São Paulo. O livro tem tradução em português por Marcelo Paiva e foi lançado no Brasil em maio deste ano.

Andrés Bukowinski é um cineasta com uma trajetória profissional de sucesso, detentor de 25 estatuetas Lions do Festival Internacional de Filmes de Propaganda, em Canes e Veneza. Recebeu 12 vezes o prêmio Profissionais do Ano, da Rede Globo. 


Andrés Bukowinski, retrato de um gênio da publicidade
Bukowinski nasceu em 1940 em Varsóvia, onde passou os primeiros anos de sua infância durante a ocupação nazista. Em seguida, emigrou com sua família para a Argentina e há 40 anos estabeleceu-se em São Paulo. Possui mais de três mil comerciais produzidos, dos quais 500 na Argentina e 1100 em parceria com Washington Olivetto.

O livro sobre Andrés Bukowinski conta não apenas sua trajetória profissional, mas também a sua participação no evento mais trágico da história do século passado, a Segunda Guerra Mundial.

“Como um menino que em 1944 deixou Varsóvia trazendo na mão um penico de lata semelhante a um capacete de soldado, transformou-se em um homem com tantos prêmios publicitários? Por um lado, a mãe sempre lhe dizia que as coisas materiais não são importantes e, no entanto, ele se tornou uma referência fundamental fazendo propagandas para vender as coisas com uma inteligência que não tem preço e nem comparação.

A narrativa do livro é polifônica e entremeia-se de relatos de Andrés Bukowinski e dos que lhe são mais próximos, assim como conhecidos, colaboradores, pessoas que encontrou em diferentes cantos do mundo e em diferentes épocas. Washington Olivetto, amigo e parceiro profissional, é quem assina o prefácio:

“As circunstâncias atípicas de sua vida produziram um curioso personagem autodidata e ‘audiodidata’. Aliás, as palavras ‘produziram’ e ‘personagem’ fazem parte do universo que ele domina como ninguém: o universo cinematográfico. Falar muitas línguas e não saber escrever em nenhuma delas nunca foi vantagem nem desvantagem para Andrés, que sempre falou e escreveu com imagens e sons — simples, sintéticos e gramaticalmente impecáveis.”

Sua história de vida daria um longa-metragem repleto de ingredientes dramáticos e de superação. Uma primeira infância difícil na Polônia em guerra, o pai que esteve ausente por muitos anos (era piloto da Royal Air Force), a morte precoce da mãe, a fuga para a Inglaterra, o difícil recomeço na Argentina e a adoção pelo Brasil na década de 1970. 

Porém, assim como infortúnios, Andrés também teve sorte em sua trajetória, como confessa em um de seus depoimentos. Sorte e coincidências, aliados ao grande talento, claro, o levaram a ser identificado, muitas vezes, com um mago – um mestre da imagem e som.

Entre seus principais sucessos está Hitler, filme publicitário realizado para a Folha de São Paulo. A revista inglesa Shots incluiu-o no grupo dos 40 melhores filmes do século passado e, no livro The 100 Best TV Commercials and Why They Worked (Os cem melhores comerciais de TV e por que eles deram certo), de Bernice Kanner, ele figura na lista dos 100 melhores filmes publicitários de todos os tempos.

Em seu portfólio, destacam-se ainda os inesquecíveis comerciais do extinto Bamerindus (que dirigiu durante 23 anos) e os clássicos da Bombril, que vão ao ar ainda hoje, depois de 33 anos, com Carlos Moreno como “garoto-propaganda”. Em 1994, aliás, a campanha da Bombril foi parar no Guinness World Records como a mais longa campanha de publicidade do mundo.

“Gosto dos filmes que dirigi, gosto de voltar a eles anos depois. E por isso, lá se vão 50 anos exercendo esta profissão, e meu trabalho ainda não me cansou. Penso com entusiasmo nos filmes a realizar”, relata Andrés.

Bukovinski esteve na Cinemateca de Curitiba no dia 24 de maio, onde proferiu uma palestra com a temática: "A procura da simplicidade na comunicação", ao mesmo tempo em que ocorreu o lançamento do livro biográfico do cineasta: “Andrés, uma vida em mais de 3000 filmes” escrito por Aleksandra Pluta.

O evento fez parte da Semana da Europa em Curitiba e foi realizado pela Casa da Cultura Polônia Brasil e o Consulado Geral da República da Polônia em Curitiba. Contou ainda com o apoio da Fundação Cultural de Curitiba, Cinemateca, Sociedade Polono-Brasileira Tadeusz Kosciuszko e Braspol.


Abaixo algumas fotos do evento.




Bukowinski durante sua palestra

Platéia da Cinemateca de Curitiba

 Antonio Urban, Anibal Adão Wilinski, Rizio Wachowski, Andres Bukowinski, Schirlei Freder e Marek Makowski

Aleksandra Pluta, Schirlei Freder, Andres Bukowinski e Lisete Laghetto






2 comentários:

Francisco Cezar de Luca Pucci disse...

Uma vida dedicada ao que se ama fazer é um privilégio de poucos.

31 de maio de 2014 13:49
SILVETE disse...

MARAVILHOSO!

20 de junho de 2014 00:12

Postar um comentário

Seja educado. Comentários de teor ofensivo serão deletados.