sábado, 6 de setembro de 2014

BRINQUEDOS À MÃO, POR SÁLUA CHEQUER


                  
A exposição “Brinquedos à Mão”, em cartaz na Caixa Cultural de Curitiba, apresenta mais de 900 objetos utilizados pela infância de antigamente e ainda presentes nas comunidades interioranas do Nordeste brasileiro. O acervo pertence à Sálua Chequer, colecionadora e pesquisadora de cultura popular que assina a curadoria da mostra com Zé de Rocha.

Pouco conhecidos das crianças dos grandes centros urbanos de hoje, os brinquedos da mostra foram feitos à mão por artesãos que transformam barro, pedaços de pau e de pano, latas de óleo e caixas de papelão em objetos capazes de despertar emoções e fantasias, estimulando a criatividade e a afetividade. 



As peças, expostas em suportes diversos, representam cenas do cotidiano e utensílios de trabalho como, por exemplo, pequenos moedores de cana-de-açúcar, carro de boi e moinhos de água. Há ainda mobília de madeira e miniaturas de utensílios domésticos como peneiras, baldes e panelinhas feitos em barro, madeira e metal. É a própria Sálua quem comenta sobre sua trajetória e a exposição, juntamente com algumas fotos da mostra.



“Comecei minha pesquisa com brinquedos em 1980... fui motivada pelo interesse que sempre tive nessa área de manifestações populares. Convivi com essa realidade na pequena cidade do interior onde nasci e me criei, em Ibirataia... Lá, várias vezes acompanhei o cortejo do Bumba-meu-boi, frequentei a feira livre, e meu olhar sempre foi direcionado para tudo isso que o povo inventa para celebrar a vida.



Desde muito criança eu via minha mãe enfeitar a casa com objetos artesanais feitos de argila, madeira, palha... creio que, de alguma forma, isso me influenciou. Mas a atração por esse universo da cultura popular, sempre me chamou muito atenção.



O que me traz mais satisfação, é a pesquisa de campo... sair em busca de informação, conviver com as manifestações e com as pessoas que organizam, produzem e contribuem para manter viva toda a nossa tradição de raiz. Viajei por cidades do interior da Bahia, São Gonçalo dos Campos, Olhos d’ Água, São Sebastião do Passé, Ubaíra, Pintadas dentre outras e vivi experiências únicas. Um grande exemplo foi a bata de feijão em Olhos d’Água.... Amanhecemos o dia cantando enquanto os homens batiam o feijão e as mulheres separavam os grãos já debulhados. É um trabalho de mutirão muito bonito. 



Outro mutirão muito bonito eu vivenciei em Serrinha (interior da Bahia), chama-se “Boi Roubado”. Um grupo de trabalhadores chega a uma determinada plantação, isso de madrugada, e sem que o dono da plantação saiba, eles acordam todos da casa e, em atitude de solidariedade, ajudam a colher ou a capinar, ou plantar... de acordo com a necessidade desse pequeno agricultor. 



Eles chegam cantando com uma bandeira na frente do grupo. As mulheres acompanham, mas não vão pro roçado. Ficam na casa do dono da plantação cozinhando para esperar a volta dos maridos no final da tarde. Elas os recebem na boca da noite com a bandeira e aí é a grande confraternização. Quando acabam de comer eles se despedem e voltam pra suas casas cantando.



Atualmente, sou professora em um colégio Jesuíta em Salvador. Trabalho com crianças há trinta anos. Faço parte de um grupo musical, a Camerata Popular do Recôncavo. Esse grupo tem como repertório o resultado das pesquisas musicais que fiz e faço durante anos.

Em minha trajetória como pesquisadora, aconteceu um episódio engraçado... certa vez eu dei uma entrevista na TVE e falei da minha coleção de Brinquedos, do amor que tenho a esses brinquedos e contei que passando de ônibus por uma praça, aqui em Salvador, eu vi um senhor vendendo um brinquedo lindo, uma avestruz que ele manuseava com muita habilidade, mas eu não tive como descer do ônibus para comprar... fiquei muito sentida, mas não foi possível. 



Dias depois eu recebi um recado que havia uma pessoa me esperando na portaria do colégio que eu trabalho... não acreditei, um senhor havia assistido essa entrevista e me levou a avestruz de presente. Ele encontrou o vendedor na rodoviária daqui de Salvador. Eu fiquei muito emocionada.
                   
Na minha coleção de brinquedos conto com o apoio de uma grande amiga, que não mede esforços para aumentar meu acervo, Irami Muniz de Almeida. Já viajamos juntas para João Pessoa em busca de brinquedos e graças a ela a coleção tem aumentado muito. Gostaria de ressaltar que graças aos produtores Marcos Clement e Vanessa Vieira, da Trevo Produções, eu estou levando essa coleção para alguns espaços públicos."

Fotos: Acervo pessoal.






       Sálua Chequer, ao centro, com Vanessa Vieira e Marcos Clemente  da Trevo                    Produções.

Sobre a autora: 

Eu nasci em Itabuna, sul da Bahia, mas me criei em Ibirataia. Tenho formação em música. Atualmente faço o mestrado em Arte, Educação e Cultura e tenho como foco da pesquisa o Brinquedo Artesanal. Trabalho há trinta anos no Colégio Antônio Vieira, em Salvador no Colégio de Padres Jesuítas. Formei o grupo Música, Camerata Popular do Recôncavo. Todo repertório do grupo é resultado das pesquisas de campo que faço há mais de trinta anos. Sou responsável pela concepção dos espetáculos. Temos shows gravados na TV Educativa . Atuo como comentarista dessa mesma emissora durante as transmissões das festas juninas. Tenho três filhos: Pedro, João e Antônio. Eles sempre me entusiasmaram e incentivaram na realização das pesquisas e dos trabalhos musicais. Em 2012 essa exposição foi realizada na Caixa Cultural de Salvador.

   
   Serviço:
   Caixa Cultural de Curitiba
   Exposição BRINQUEDOS À MÃO
   Visitação: 30 de julho a 07 de setembro
   Entrada franca





   
 

Esta matéria foi elaborada e editada por Izabel Liviski.    






1 comentários:

Francisco Cezar de Luca Pucci disse...

Essa matéria tocou fundo em mim, pois nasci e passei minha infância no interior, numa época em que quase todos os brinquedos eram confeccionados pelas mães, pais e por nós mesmos. Ainda guardo (minha mãe guardou por anos) o banquinho de madeira no qual eu amarrava um barbante e brincava de cavalinho. Parabéns por trazer essa matéria, Izabel.

6 de setembro de 2014 10:40

Postar um comentário

Seja educado. Comentários de teor ofensivo serão deletados.