terça-feira, 11 de agosto de 2009

A demanda do Pássaro Azul

Pela floresta de grutas e rochedos,
noite a dentro, vida a fora, ambas inteiras,
comigo meus cães, meus gatos, meus medos e desejos
e do candeeiro, a luz, em corpo esguio de mulher.

Onde o pássaro azul?
No cemitério? No vale? Nalgum arvoredo?

A coruja sábia... silente.
Os mortos sonsos... sabentes.
O pássaro em canto algum da floresta,
ou da noite, ou da vida.
Sequer uma dica, sequer uma pista.
E durante a noite toda, a busca vã.

Mas, pela manhã, bem à vista
no lugar de sempre – engaiolado
e tímido, o pássaro – em casa.


Abilio Pacheco

1 comentários:

Vilma disse...

Prezado Abílio,esse pássaro azul,se fôr azul-de-metileno,se incorpar a côr,se entranhar nos poros,se ficar para sempre.......
Saudações Literárias,Vilma Belfort.

31 de agosto de 2009 23:50

Postar um comentário

Seja educado. Comentários de teor ofensivo serão deletados.