sábado, 27 de fevereiro de 2010

É NECESSÁRIO RESPEITAR AS DIFERENÇAS


Olá leitores, na coluna de hoje vou me despedir de vocês. Muitos vão se perguntar o motivo, mas é um bom motivo. Quando iniciei minha escrita no blog, já havia combinado com os “administradores” que eu escreveria por dois meses, após este tempo outra pessoa assumira a coluna ESCRITOS CONTEMPORÂNEOS em meu lugar.

É chegada a hora. Na próxima semana, outra pessoa trará novas contribuições, novos assuntos e temas, o que trará uma pluralidade de discursos e visões, que enriquecerá o blog e estimulará os leitores.

Dessa forma, hoje, como combinado, eu deveria falar de algo sobre mim, porém prefiro escrever acerca de um tema relacionado a um filme que gosto muito (que antes de ser filmado, já era muito reconhecido na Literatura Americana e que de certa forma retrata a miha realidade e a de milhares de pessoas): A Cor Púrpura.



A Cor Púrpura (en: The Color Purple), é um filme estadunidense de 1985, do gênero drama, dirigido por Steven Spielberg e baseado no romance epistolar da premiada escritora afro-americana Alice Walker, que trata de questões de discriminação racial e sexual.
A partir deste filme, resolvi elaborar algumas considerações acerca da discriminação racial e sexual no Brasil. De início, alguns poderão pensar: - Isso de discriminação está ultrapassado, as pessoas hoje se respeitam. Será mesmo?

Acho que a maior parte dos brasileiros se esquece das minorias, as quais dia após dia sofrem algum tipo de discriminação.Talvez, propositalmente seja muito mais fácil não vermos as deficiências e os problemas ao nosso redor, muitos dos quais somos responsáveis pelo acontecer.
Como sabemos, ainda hoje muitas mulheres ainda são violentadas, subjugadas de várias maneiras, seja físico, seja mentalmente, o mesmo ocorre com outras minorias como negros e homossexuais. Algumas medidas estão sendo tomadas, como a criação da Lei Maria da Penha para proteger as mulheres da violência, a criação de cotas nas universidades, para negros e pessoas carentes, o que contribuirá e muito para que os atendidos por estas cotas possam coneguir melhores condições de emprego e de vida, e, deixem de fazer parte da grande maioria que vive às margens. E em relação aos Gays?




Como sabemos, tramita no Senado brasileiro o projeto de lei 122/2006, também chamado Lei da Homofobia, que visa lutar contra esse tipo de repressão. O problema é que desde 2001 quando foi apresentado, tal projeto não é votado e muitos, principalmente a bancada evangélica faz frente contra esse tipo de projeto. Mas qual será o motivo, será mesmo religioso?

Às vezes me pergunto, será que Deus não ama as pessoas por que são diferentes umas das outras ? Ou ainda, será que o homem é um animal tão horrendo, que mesmo todos os seres desta espécie sendo diferentes uns dos outros, ele tende a discriminar aqueles que não se prendem às amarras sociais e vivem de acordo com normas ultrapassadas, ditadas pela própria sociedade ? Tais normas são passiveis de mudança, basta que as pessoas saibam se respeitar, saibam enxergar o bom, o doce, o amável nas diferenças.

Se você gosta de rock e eu de MPB, não temos que cada um escutar o que gosta, respeitar o outro? Ou ainda, se você adora futebol e eu não, não devemos respeitar os gostos um do outro? Então, porque não fazer o mesmo quando se diz respeito à sexualidade? Sinceramente, acho que ainda é tempo de mudarmos a concepção patriacarlista, machista e hipócrita vigente neste país. Caso contrário seremos nós os responsáveis pelas mortes e violências a milhares de pessoas, sejam mulheres, negros, gays, dentre outros grupos.

A minha última mensagem neste blog é mais um apelo às pessoas, para que acordem enquanto é tempo e ajudem a melhorar e salvar a vida daqueles que sofrem apenas por serem diferentes. Para que dessa forma, possamos um dia ligar a TV e não assistir a notícias, nas quais são apresentados dessemelhantes mortos por pessoas intolerantes.

Espero que neste dois meses que escrevi para vocês, eu tenha contribuido para o conhecimento e/ou aprfundamento acerca de obras e autores das Literaturas Brasileira e Portuguesa.





Rodrigo Machado é Graduando em Letras pela Universidade Federal de Viçosa e escreve aos sábados no ComtemporARTES.

4 comentários:

Carolina Marques disse...

Amigo, parabéns pela iniciativa!! Você faz uma falta enorem aqui em Juiz de Fora!Saudades enormes! Lindo trabalho!!
Carol do CAVE

27 de fevereiro de 2010 15:37
Ciro disse...

Parabéns pelo fim desse ciclo de posts!
Acho que você fechou com chave de ouro, pois, a história de "A cor púrpura" é realmente linda e nos leva a pensar muito além do que vemos na tela!
Espero ler mais dos seus trabalhos por aqui em breve.
Parabéns!

27 de fevereiro de 2010 16:31
Rodrigo Machado disse...

Obrigado pessoal.
É bom saber que vocês gostaram das minhas matérias. Elas foram feitas para vocês.
Espero voltar a publicar aqui em breve.

27 de fevereiro de 2010 18:32
Incontros- foto&texto disse...

Oi Rodrigo,

Acompanhei com interesse seus artigos durante este tempo em que vc publicou no contemporartes. É uma pena perder um colega blogueiro, espero que seja temporáriamente. Parabéns pelas matérias, e principalmente por tocar nessa última, em um assunto tão delicado e controverso.
Izabel Liviski

27 de fevereiro de 2010 20:05

Postar um comentário

Seja educado. Comentários de teor ofensivo serão deletados.