sábado, 14 de agosto de 2010

Eleições: senta que lá vem história.




Foi no ano de 2008 que ouvi uma das frases mais representativas do pensamento hodierno brasileiro sobre as informações midiáticas e a política nacional. Era ano eleitoral e eu ainda estava envolvida na área de planejamento estratégico em políticas públicas. Nós estávamos trabalhando em conjunto para uma determinada ação política quando um formando universitário do curso de sociologia disse: "realizamos uma pesquisa sobre as informações veiculadas na mídia e constatamos que, dentre os jornais televisivos, o mais neutro em suas informações é o da Rede Globo. Os demais são tendenciosos e contém alto índice de comentários pessoais". Essa "pesquisa" me deixou completamente chocada frente ao grau de inocência que a população possui diante da mídia, pois o que esse estudante disse representa o pensamento de muitos, não só frente à Rede Globo, mas de toda a sorte de informações que são lançadas todos os dias.
..

Não é necessário ler Teorias da Comunicação de Ilana Polistchuk e Aluízio Ramos Trinta (embora seja uma leitura muito agradável) para entender que a mídia não é meramente um canal de informações, mas é dotado de poderes psicossociais ao transmití-las. A persuasão faz parte do entretenimento midiático e não há como dissociá-lo. Se uma informação midiática não é intermediada por um comentarista ou crítico, sendo divulgada por si só como verdadeira, torna-se ainda mais perigoso do que se fosse claramente abordada como uma crítica ou opinião. Quando uma fato é comentado e pode-se distinguir o fato narrado da crítica apontada, o questionamento torna-se provável, mas quando o mesmo fato é dado como verdadeiro, poucos indivíduos, se houver, questionarão a veracidade da informação.

.

.

A mídia possuindo esse conhecimento, utiliza-se desse tipo de artimanha para persuadir o público-alvo de acordo com seus interesses. Não se deve esquecer que a informação para a imprensa não é a apenas um conteúdo para transmissão, mas sim um produto e como produto, precisa gerar lucratividade.

.

Mas como isso acontece sem que se perceba o quão persuadido estamos frente à informação? Em regras silógicas, o método indutivo é aquele que partindo de uma premissa particular, segue em sentido à generalização. Esse é o método muitas vezes utilizado nas informações midiáticas, dentre outros, e que implica em resultados conclusivos prováveis. Na área de psicolingüistica existem estudos que demonstram como a falácia é formada nas entrelinhas das informações utilizadas pela mídia e que mesmo sem utilizar qualquer expressão analítica sobre qualquer fato, pode estar recheado de falácias. É o caso de jornais como o da Globo.

.

Não é a primeira vez, talvez não seja a última, em que eu manifeste empatia pelo Observatório da Imprensa que questiona as mais diversas veiculações da mesma informação na mídia, permitindo a visualização de como a combinação de palavras resultam alterações na recepção e percepção dos fatos narrados, daí o poder de persuasão midiático.

.

.

Estamos em ano eleitoral e está muito difícil filtrar a falácia da verdade. Entre as 2 últimas semanas, o jornal da manhã da rádio Jovem Pan informou que 17 pesquisas eleitorais foram denunciadas como tendenciosas porque omitiam informações aos eleitores, não contendo todos os nomes de candidatos (não sei quais institutos, nem quais datas, aliás sei muito pouco sobre o dito). Pois bem, tentei localizar a fonte dessa informação e não encontrei, o que é uma pena! Mas sei que o PSDB conseguiu suspender uma pesquisa realizada pelo Instituto Exata por conter tais tipos de erros. Outra informação que não se tem notícia é de que as emissoras de TV recebem incentivos fiscais do governo para não se manifestar politicamente contrária à máquina política.

.

Isso teria começado com o Presidente Fernando Henrique Cardoso dando incentivo à Rede Globo e teria dobrado no governo do Presidente Lula e se estendido a outras emissoras como SBT e Record. Não se acha nada a respeito, embora realmente existam leis de incentivos fiscais para as emissoras com o intuíto de "promover a cultura" e "a produção" cinematográfica no país. Não posso afirmar o intuíto de tais leis, mas posso afirmar que a emissora formadora de opiniões que entrou no século toda endividada anda bem quietinha frente as divergências políticas e isso, há bastante tempo. Se você deseja se aprofundar no assunto, jogue na internet essa informação e você verá diversas matérias antigas dos anos de 2001, 2002, 2004 e outros, a respeito não só das criações de tais medidas provisórias e leis de incentivo às emissoras (seja lá qual incentivo for), como dos respectivos endividamentos (em caso de dúvidas, verifique o programa de resgate do governo Pró-Mídia de 2004).

.

.

Agora quanto à propaganda política, mais difícil do que apontar as falácias é entender o aparelho político em que estamos submersos e os impactos da política externas nos atos. Agora ouvimos de políticos: "eu criei tantos hospitais", "fiz tais obras" e toda aquela baboseira eleitoral. Quando o brasileiro entender que o presidente, o governador, o prefeito e esse povo todo não faz nada sozinho, que existe uma máquina política e que muitas vezes mudam-se os nomes, mas a máquina política permanece a mesma, vamos continuar caindo nos mesmos erros. Não basta escolher um bom nome, é necessário entender o funcionamento dessa engrenagem para escolher quem realmente está apto a direcionar e executar os projetos públicos da melhor maneira.

.

Para explicar toda essa aparelhagem e impacto da economia e conjuntura mundial na política interna, seria necessário escrever um livro no mínimo como Era dos Extremos de Hobsbawm (leitura recomendadíssima), ler muito mais de Dreifuss, bem como revisar livros como os de Boris Fausto e Basbaum sobre nossas políticas (sim, gosto de uma leitura tradicional), o que para mim, nesse momento, seria muito difícil. De qualquer forma, só espero que nessas eleições, o voto seja consciente, mesmo que consciente de que estamos sendo manipulados.

.
.
.
.
.
.
Yone Ramos Marques de Oliveira, teóloga e historiadora, escreve aos sábados, quinzenalmente no ContemporARTES.

1 comentários:

Anônimo disse...

mt bom estes teus textos acabei de er alguns amei parabéns!!!

27 de maio de 2012 16:05

Postar um comentário

Seja educado. Comentários de teor ofensivo serão deletados.