terça-feira, 14 de junho de 2011

Tirando da Gaveta









Acordou com idéia fixa, mas evitou a decisão precipitada. No criado-mudo, guardava seus textos: poemas, contos, romances iniciados, um quase no fim.
Passou o dia pensando na decisão. Não poderia ser algo fruto apenas do impulso. Mas estava decidido que não passaria desse dia. Na hora do almoço, sentou-se à beira da cama. Olhou demoradamente antes de se inclinar e abrir a primeira gaveta. Nas últimas vezes, apenas pusera uma bola de naftalina em cada compartimento.
Desta vez, não. Há muito tempo já deveria ter resolvido tirar dali os manuscritos e dar-lhes o destino merecido. Não havia porquê esperar. Juntou-os todos do jeito que estavam e desceu às pressas as escadas que levavam à varanda. Antes que capitulasse, jogou tudo num dos tonéis de lixo e ateou fogo.






1 comentários:

Ana Dietrich disse...

demorou mas chegou, tô gostando desse seu estilo hai kai, tudo curtinho e muito expressivo. Super...
mas, confesso que o atear fogo me chocou. Que tal jogar pelos ares e vê-los plainando??? rs

bjk, lembranças ao Pará

19 de junho de 2011 00:41

Postar um comentário

Seja educado. Comentários de teor ofensivo serão deletados.