quinta-feira, 21 de julho de 2011

Mulher, rosas e cores em Cantarilhos

Na quarta-feira passada estive na oficina Cantarilhos - Oficina de Plasticidade Musical da Casa da Palavra (Santo André) onde dançamos, recitamos poesia, ouvimos música e pintamos. Essa última atividade merece um destaque especial, pois de todas as pinturas feitas no calor do momento e sob o perfume dos incensos de Alba Brito tinham um ponto de convergência a figura da mulher - triste, alegre, pulando, sorrindo ou mesmo elaborando as obras. Faço uma homenagem a essa criação coletiva, publicando as fotos do Bruno Badain, desse dia, acompanhada da música interpretada por Ana Carolina (Rosas).





Rosas
Ana Carolina
Composição: Totonho Villeroy

Você pode me ver
Do jeito que quiser
Eu não vou fazer esforço
Pra te contrariar
De tantas mil maneiras
Que eu posso ser
Estou certa que uma delas
Vai te agradar... (2x)



Porque eu sou feita pro amor
Da cabeça aos pés
E não faço outra coisa
Do que me doar
Se causei alguma dor
Não foi por querer
Nunca tive a intenção
De te machucar...
Porque eu gosto é de rosas
E rosas e rosas
Acompanhadas de um bilhete
Me deixam nervosa...


Toda mulher gosta de rosas
E rosas e rosas
Muitas vezes são vermelhas
Mas sempre são rosas...
Se teu santo por acaso
Não bater com o meu
Eu retomo o meu caminho
E nada a declarar
Meia culpa, cada um
Que vá cuidar do seu
Se for só um arranhão
Eu não vou nem soprar...
Porque eu sou feita pro amor
Da cabeça aos pés
E não faço outra coisa
Do que me doar
Se causei alguma dor
Não foi por querer
Nunca tive a intenção
De te machucar





Porque eu gosto é de rosas
E rosas e rosas
Acompanhadas de um bilhete
Me deixam nervosa...
Toda mulher gosta de rosas
E rosas e rosas
Muitas vezes são vermelhas
Mas sempre são rosas...

Porque eu gosto é de rosas
E rosas e rosas
Acompanhadas de um bilhete
Me deixam nervosa...
Toda mulher gosta de rosas
E rosas e rosas
Muitas vezes são vermelhas
Mas sempre são rosas...
Você pode me ver
Do jeito que quiser
Eu não vou fazer esforço
Prá te contrariar
De tantas mil maneiras
Que eu posso ser
Estou certa que uma delas
Vai te agradar...







Ana Maria Dietrich é coordenadora da Contemporartes- Revista de difusão cultural.



1 comentários:

Mariana Zenaro disse...

Bem legal!!! Parabéns, Ana!!!

22 de julho de 2011 11:48

Postar um comentário

Seja educado. Comentários de teor ofensivo serão deletados.