domingo, 27 de novembro de 2011

Análise do filme "Elefante" de Gus Van Sant



Para esta análise, foram escolhidas as cenas de Michelle, a cena no quarto de Alex (tocando piano), a cena das 3 garotas (Brittany, Jordan e Nicole) e a cena de Alex e Eric assistindo a vídeos de nazismo enquanto aguardam a chegada do rifle pelo correio.

Elementos gerais empregados na maioria das cenas
  Primeiramente, analisaremos os elementos presentes em todas as cenas escolhidas.
  Em todos os casos, as cenas são feitas em planos sequências, em que elas são gravadas em apenas um take, com apenas uma câmera, sem cortes ou mudanças bruscas de plano de visão, o que facilita uma interpretação da visão do diretor em relação à história a ser contada. Também desaceleram o ritmo na qual as cenas são conduzidas, uma característica própria dos filmes mais dramáticos, pois se dá mais destaque à narrativa e aos elementos subjetivos do filme.
  Outra característica comum nas cenas é uma certa ausência de trilha sonora, para dar ainda mais destaque aos personagens e seus dramas pessoais. Essa falta de trilha sonora, unida com o som de fundo das cenas sendo abafado, ressaltam a sobriedade, e principalmente, a solidão dos personagens, que demonstram problemas pessoais de diversos tipos.
  Por fim, outra grande característica comum nas cenas é também notada nos planos da câmera. O foco sempre fica no personagem em questão, (salvo algumas poucas exceções que serão analisadas) e respeitando de certa forma a sua individualidade de diversas maneiras, mas sempre com eles como o objeto principal na cena.

  Cena da Michelle
  Essa cena é uma cena relativamente simples, e assim como todas as cenas dos alunos/vítimas, mostra os seus últimos minutos na escola, antes do começo do massacre.
  A cena gravada em plano sequência sempre focaliza a personagem, e em praticamente todos os momentos, a mostra pelas costas. O motivo para que o foco fique o tempo inteiro nela se explica pelo seu isolamento diante dos outros alunos. Por ser uma pessoa fora dos padrões de beleza presentes nas escolas americanas, sua vida social fica extremamente reclusa, e para retratar isso de maneira subjetiva e rápida (pois a cena é relativamente curta), o diretor resolveu utilizar essa técnica de filmagem. A intenção do diretor em mostrar (em quase todo o plano) a personagem pelas costas era a de mostrar também o seu ponto de vista durante a cena. Percebe-se que ela mal olha diretamente para as pessoas, por causa da sua vergonha e falta de autoconfiança. Com esse tipo de plano também, respeita-se qualquer tipo de emoção sentida pelo personagem, sem perder a sua reação. O único momento em que a câmera focaliza diretamente o seu rosto é no fim da cena, momentos antes do seu assassinato.
Outros elementos como a fotografia ou iluminação não modificam ou adicionam à interpretação desta cena, assim como na maioria das cenas durante todo o filme.

Cena da Brittany, Jordan e Nicole
Outra cena que, apesar de ser um dos planos sequências mais compridos do filme, é uma cena simples de ser analisada.
Diferentemente da cena de Michelle, nessa cena o foco está em 3 personagens, e não apenas em uma. As 3 personagens passam o tempo inteiro da cena conversando, e a câmera, na maior parte do tempo, focaliza os seus rostos sem seguir uma linha determinada de plano. Isso acontece por ser uma conversa informal, entre 3 amigas, e mostra o cotidiano das três, além de todos os acontecimentos que elas contam. Através do diálogo torna-se possível notar uma diferença maior ainda entre as garotas e Michelle, por exemplo, pelo fato da evidente popularidade e delas, uma ativa vida social e etc. Após toda a conversa durante o almoço, as garotas se dirigem até o banheiro, e nesse momento existe uma mudança de plano e de câmera.
  O diretor optou por uma mudança de câmera nesse momento para mostrar uma certa ruptura entre a vida social delas e a vida íntima das três, pois assim que elas entram no banheiro, o diálogo muda de objetivo, e se foca em um problema muito comum entre as jovens: a bulimia. As reclamações em relação ao corpo evidentemente saudável são iniciadas e as três garotas entram nos boxes do banheiro ao mesmo tempo para vomitar o que acabaram de comer. Neste momento a câmera se abaixa, e as portas se fecham, mostrando algo em comum com a cena de Michelle: o respeito aos problemas e individualidades do personagem.
  Essa mudança repentina no final da cena mostra a intenção do diretor em evidenciar esse problema social que é encoberto por atitudes “normais” das garotas.

Cena no quarto de Alex
Nessa cena existem diversos elementos subjetivos que podem ser notados durante todo o seu decorrer. A cena começa com Alex tocando o piano em seu quarto, e enquanto ele toca, a câmera que, filma suas costas, começa a girar lentamente, mostrando todo o quarto de Alex.
Primeiramente, a música tocada por Alex interage o tempo inteiro com a cena, pois tem um tom triste, e a câmera girando lentamente pelo quarto também mostra um ambiente triste e frio, que só propicia mais o aumento do seu ódio por tudo. Enquanto ele toca, seu amigo Eric chega no quarto, se deita na cama e liga o computador. Em nenhum momento durante isso a câmera para de girar, demonstrando desinteresse na situação (que parece corriqueira na vida dos garotos), e concentração na música por parte de Alex.
Quando a música muda de tom para o ódio, a câmera se volta para Eric, que está jogando um jogo violento, sinalizando um dos motivos para o crescente ódio dos garotos. Outra coisa importante de se notar é que no jogo não tem cenário, nem dificuldade, nem enredo, e é apenas um jogo no qual o objetivo é matar pessoas que estão caminhando tranquilamente. Isso demonstra o quão rasos são os jogos eletrônicos, que nada estão acrescentando aos jovens.
Ao voltar para Alex, a música volta a seu tom triste, representando a tristeza nos dois jovens. Uma tristeza pelo isolamento, bulling e ignorância de seu emocional por parte dos próprios pais. A música termina com Alex esbravejando por errar uma nota e sentando no sofá com Eric, que o passa o Computador.
Quando a câmera novamente encerra seu plano sequência, ela passa para a tela do computador, dando destaque novamente ao que se passa ali. Os dois jovens buscam lojas de armas na internet, e facilmente encontram várias lojas que vendem seu produto sem a necessidade de qualquer identificação ou sem qualquer dificuldade.

Cena de Alex e Eric assistindo a vídeos de nazismo
A cena começa com Alex e Eric assistindo a um programa sobre o nazismo na televisão. Durante praticamente todo o momento o som da televisão é predominante, dando o foco da cena no programa assistido pelos garotos. Durante o programa, alguns aspectos nazistas são apresentados, mas um detalhe peculiar chama atenção.
No momento em que o caminhão do correio chega com a arma encomendada pelos garotos, o programa aborda o problema cultural que houve durante o nazismo. Esse pequeno ênfase dado ao assunto chama atenção aos problemas culturais enfrentados pelas atuais gerações, entre um deles, sobre armas e questões importantes do cotidiano.
Depois que abrem o pacote com a arma, os garotos se dirigem para uma espécie de garagem da casa para testar a arma. Também é notável a maneira como eles manejam a arma de fogo. Facilmente eles carregam, destravam e atiram com ela, sem duvidas quanto ao seu funcionamento, demonstrando a facilidade com que se aprende a manejar uma arma nos dias de hoje.






Thulio Oliveira é aluno do Bacharelado de Ciências e Humanidades da UFABC. Trabalho realizado sob orientação da Profa. Dra. Ana Maria Dietrich.




A ContemporARTES agradece a publicação e avisa que seu espaço continua aberto para produções artísticas de seus leitores.

1 comentários:

discutindo educação e história disse...

Utilizei este filme com os alunos dos quatro períodos em minhas aulas no Instituto Superior de Educação em Três Rios, curso de pedagogia... as reações foram positivas, impactante o filme e possível de importantes reflexões sociais e educacionais... ótima análise.

27 de novembro de 2011 09:46

Postar um comentário

Seja educado. Comentários de teor ofensivo serão deletados.