quinta-feira, 1 de março de 2012

JANELAS PARA A HOLANDA


        
"Que vêem meus globos oculares? Ah- o céu azul. Meu grande amigo! E as janelas, também – você já parou para curtir as janelas? Vamos lá, vamos falar sobre janelas. Tenho visto algumas verdadeiramente muito loucas, que até fizeram caretas para mim, e algumas estavam com as cortinas cerradas e mesmo assim piscavam para mim." 
         (On the Road, Jack Kerouac)     

               
                                                                               
Conhecer a Holanda sempre despertou em mim grande interesse e curiosidade. As referências eram muitas: amigos holandeses, a influência que exerceram sobre o Nordeste do Brasil no período colonial, as realizações fantásticas de Maurício de Nassau sempre me encantaram.

                                          "Reflexos na Estação"

As obras de seus pintores famosos: Vermeer, Rembrandt, Van Gogh e Mondrian também marcaram para sempre em minha memória as aulas de História da Arte. Acompanhava com interesse reportagens sobre a evolução de sua Engenharia na luta constante com as águas, sua cultura ao mesmo tempo arrojada e de preservação de valores.


                                                                         "Welcome"


Não é à toa que no brasão do país estão inscritas as palavras: "Je maintiendrai", um teimoso "eu perseverarei", característico de um povo de mentalidade liberal mas profundamente ligado à sua história e tradição.

                                                                         "Arquitetura"

Quando cheguei ao Aeroporto de Schiphol em Amsterdam, chovia muito e fazia frio, e assim permaneceu quase todo o tempo de minha estada, no início do outono europeu. Despida de idéias preconcebidas do que fotografar, fui andando ao acaso pelas ruas e fotografando cenas comuns, retalhos do cotidiano, pessoas que achava interessantes.

                                            "A dama de vermelho"

Quando alguém me perguntava porque  estava fotografando, respondia simplesmente "I'm learning". Em vários sentidos. Sabia, no entanto, o que eu não queria: fotos convencionais de revistas de turismo, paisagens e arquitetura deslumbrantes.

   "Crianças na Escola"

Concentrei-me nas coisas que meu feeling apontava, e aí surgiu a paixão pelas janelas das casas e escritórios e por extensão das vitrines de lojas e vidraças de bares: amplas, decoradas com generosidade. Andando na chuva com minha sombrinha de folhas de cannabis recém-comprada, olhava para as casas através de suas janelas e tudo me parecia aconchegante e intimista.

                                                               "Escada para o Infinito"

Tornou-se quase uma obsessão fotografar janelas: graciosas, com grades, criativas ou até mesmo quebradas, mas em sua grande maioria muito belas. Atrás delas muitas vezes havia personagens curiosos: o cão dentro de um carro, as crianças em uma escola de arte, o velho em um bar.


"Bar doce Bar"

E por extensão, comecei a fotografar toda superfície que espelhasse ou refletisse objetos e luzes: perseguindo poças de água da chuva, vidros de carros, trechos do canal de Singel e até mesmo bicicletas que lado a lado, pareciam uma imagem multiplicada em milhares.

                                                                   "Depois da Chuva"

Neste processo surgiu uma interação entre observador e observado, e o tema subjetivo do ensaio fotográfico: descobrir quem estava por detrás das janelas, quem era o outro. Os vidros, embora transparentes, se interpunham e impediam uma completa comunicação.

                                                   "Fera Aprisionada"

Indo nesta direção, termino fotografando minha própria imagem refletida em uma vitrine de uma casa de jogos: nas máquinas vazias, luzes se multiplicavam, imagens se fundiam formando um caleidoscópio. Simbolicamente compreendo que na busca de entender o outro, acabamos buscando respostas para nossas próprias questões essenciais.

                                        "Paisagem Tridimensional"

Editando o material fotográfico obtido nesse ensaio fotográfico - e aqui estão apenas algumas das centenas de fotos feitas - e refletindo posteriormente também como socióloga, percebo que o fotógrafo constrói a sua imagem fotográfica, aquilo que ele quer dizer através do instante fotográfico, da concentração das diferentes temporalidades em um único momento, o chamado tempo da fotografia.

                                          "Paisagem no Espelho"

Assim, a documentação visual, especialmente a fotografia nunca pode ser tomada de forma ilusória como um documento socialmente realista e objetivo, ela é muito mais um meio de compreensão imaginária da sociedade.


                                                                   "Vista do Trem"

Assim como se pode falar em imaginação sociológica, pode-se também falar em imaginação fotográfica que nesse caso envolve todo um modo de produção de imagens, como a composição, a perspectiva, os recursos técnicos para escolher e definir a profundidade de campo, e principalmente aquilo que vai fazer parte e o que vai ser excluído do campo visual, enfim todo um modo de construir a fotografia.

                                                                    "Olhar fixo"

A fotografia é documento de estranhamento do fotógrafo em relação àquilo que vê, assim sendo as fotografias de rua que são o locus do meu ensaio, representam um duplo estranhamento, uma intensificação desse sentimento, já que as ruas são o espaço das cidades onde normalmente estranhos se cruzam: como testemunho do encontro físico entre fotógrafo e fotografado no momento da tomada, e pelo estranhamento do fotógrafo em relação ao objeto fotografado.

"NEDERLAND,
RIMA COM FANTASIA.
ESSA,
A MINHA LICENÇA

POÉTICA".


Texto e Fotos: Izabel Liviski

Agradecimentos: À Rosa Bruinjé (in memorian) e Toni Bruinjé do Consulado da Holanda em Curitiba, Pr.

Referências:
KEROUAC, Jack - On the Road -tradução de Eduardo Bueno, L&PM, 2011.
MARTINS, José de Souza- Sociologia da Fotografia e da Imagem- Editora Contexto, 2008.






Izabel Liviski é fotógrafa e professora, doutora em Sociologia pela UFPR. Escreve a coluna INcontros quinzenalmente desde 2009, e é Co-editora da mesma revista.

Contato: <izabel.liviski@gmail.com>








ContemporARTES - Revista de Difusão Cultural, interdisciplinar e mensal com Qualis Capes B3 em Ensino, com registro no ISSN sob nº 2177- 4404.

3 comentários:

Ana Dietrich disse...

Publicamos o comentário de um leitor abaixo

> "Já havia visto a primeira edição desta apresentação das janelas holandesas.
> Desta vez, à medida que imagens/texto deslizavam, fui me dando conta que as
> janelas eram um portal - como nos filmes mágicos - onde a imagem real se
> encontrava com a virtual que era refletida. Fiquei encantado. Qual era a
> imagem real? A que eu colapsava (como nos informa a Física quântica) e me
> parecia "verdadeira", ou a que se refletia? Quem era real: a dama de
> vermelho ou os gatinhos na cortina branca?
> Parece loucura, não? Mas é profunda questão para a filosofia da ciência,
> hoje quântica.
> Parabéns!".
> Pucci:.
>

19 de março de 2012 23:16
Anônimo disse...

"Mas, quando falo dessas pequenas felicidades certas, que estão diante de cada janela, uns dizem que essas coisas não existem, outros que só existem diante das minhas janelas, e outros, finalmente, que é preciso aprender a olhar, para poder vê-las assim." Cecília Meireles
Parabéns querida amiga,
suas palavras como sempre
nos fazendo refletir.
Mônica Munhoz

3 de maio de 2012 10:27
San disse...

Professor Izabel Livinski, what a charming photo essay! envolvente, simpático, técnico na medida certa para nao se tornar acadêmico, pessoal e cativante. seus pontos de vista falam para mim, adorei tudo. kudos!

6 de março de 2017 12:33

Postar um comentário

Seja educado. Comentários de teor ofensivo serão deletados.