sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Paulo Leminski: eu senti, estava lá e vou além



Na coluna de hoje quis lembrar  de momentos inconsistentes em imagens vividas nas  mãos e olhos da fotografia,  fotografia que vê e sente. 
Para quem fotografa é o prazer de ver,  ver de novo, de novo  em outros instantes,  não naquele em que se viveu mas naquele que fica e se transmuda na medida que se faz e se desfaz.
O instante decisivo de Bresson mostra o que foi… como já dizia Barthes, fala do que foi, e num instante mágico em que se eterniza.
Como a eternidade vai além do tempo que em outros tempos se mostra,  a nostalgia de quem viu, ouviu, respirou algo, que só existia nas mãos e nos olhos do fotógrafo, é reiventada.
A magia das imagens não mente pois quem por trás da câmera registrou estava lá, esteve lá e lá pode sentir, não o que o outro sentiu mas o  que genuinamente sentiu o fotógrafo.
Para esses momentos escolhi alguns poemas de Paulo Leminski pois minhas imagens autenticamente não falam somente de mim mas também do outro, dos outros que em momentos assim, mesmo sozinhos viveram a poesia de ser.

E o sol estava lá - Foto: Katia Peixoto

Bem no fundo

No fundo, no fundo,

bem lá no fundo,
a gente gostaria
de ver nossos problemas
resolvidos por decreto

a partir desta data,
aquela mágoa sem remédio
é considerada nula
e sobre ela — silêncio perpétuo

extinto por lei todo o remorso,
maldito seja quem olhar pra trás,
lá pra trás não há nada,
e nada mais

mas problemas não se resolvem,
problemas têm família grande,
e aos domingos
saem todos a passear
o problema, sua senhora
e outros pequenos probleminhas.
Paulo Leminski

E a luz estava lá - Foto: Katia Peixoto

Parada cardíaca

Essa minha secura
essa falta de sentimento
não tem ninguém que segure,
vem de dentro.
Vem da zona escura
donde vem o que sinto.
Sinto muito,
sentir é muito lento.

Paulo Leminski

…. e as pedras estavam lá. Foto: Katia Peixoto

Não discuto

não discuto
com o destino
o que pintar
eu
assino.
Paulo Leminski  


e com a água salgada lavei minha inconsistência. Foto: Katia Peixoto

Sem título

Eu tão isósceles
Você ângulo
Hipóteses
Sobre o meu tesão

Teses sínteses
Antíteses
Vê bem onde pises
Pode ser meu coração.

Paulo Leminski



A lua no cinema

A lua foi ao cinema,
passava um filme engraçado,
a história de uma estrela
que não tinha namorado.

Não tinha porque era apenas
uma estrela bem pequena,
dessas que, quando apagam,
ninguém vai dizer, que pena!

Era uma estrela sozinha,
ninguém olhava pra ela,
e toda a luz que ela tinha
cabia numa janela.

A lua ficou tão triste
com aquela história de amor
que até hoje a lua insiste:
— Amanheça, por favor!

Paulo Leminski

E nesse lugar por um instante eu fui feliz. Em outros, mais tarde, serei eu. Foto: Katia Peixoto


 "Isso de ser exatamente o que se é ainda vai nos levar além"
Paulo Leminski

Autorretrato do além

Kátia Peixoto é doutora em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP. Mestre em Cinema pela ECA - USP onde realizou pesquisas em cinema italianoprincipalmente em Federico Fellini nas manifestações teatrais, clowns e mambembe de alguns de seus filmes. Fotógrafa por 6 anos do Jornal Argumento. Formada em piano e dança pelo Conservatório musical Villa Lobos. Atualmente leciona no Curso Superior de de Música da FAC-FITO e na UNIP nos Cursos de Comunicação e é integrante do grupo Adriana Rodrigues de Dança Flamenca sob a direção de Antônio Benega.

1 comentários:

Incontros- foto&texto disse...

Parabéns pelo artigo, Katia! Adorei suas fotos, e a ideia de usar os poemas do nosso querido Leminski, mais do que genial. abraço grande, Izabel.

16 de fevereiro de 2014 19:15

Postar um comentário

Seja educado. Comentários de teor ofensivo serão deletados.