terça-feira, 28 de junho de 2016

Dias piores virão


Quem não se lembra do parlamentar chamando de “marco na depravação da sociedade” o beijo entre dois homens numa novela? Quem não se lembra do pastor vociferando contra um selinho entre duas mulheres – exibido pela emissora que, segundo ele, contribuía assim para “a destruição de valores morais fundamentais”? 

Quem não se lembra do pai que – ao dar ao filho umas panelinhas de brinquedo, com o intuito de mostrar a ele que cozinhar é uma tarefa comum a homens e mulheres – foi xingado de canalha nas redes sociais por ensinar o menino a “fazer coisas de menina”? Quem não se lembra da cantora baiana incentivada a “arrumar um quarto” e acusada de “querer ibope” ao se declarar gay?

Quem não se lembra do garoto carioca espancado até a morte pelo pai – que o considerava “afeminado” por gostar de lavar louça e brincar de dança do ventre? Quem não se lembra do jovem paraibano que, após ser agredido e ter o cabelo raspado, foi morto com tiros na nuca e no peito? Quem não se lembra do rapaz asfixiado com uma sacola plástica e pedaços de papel colocados à força em sua boca, nos arredores de Goiânia? Quem não se lembra da travesti assassinada em São Paulo depois de ter sido jogada para fora de um veículo em movimento?

Alguém dirá: são casos isolados. Não são. Aqui se registra um homossexual morto a cada (faço questão de escrever por extenso) vinte e oito horas. Quase um por dia.

E essas estatísticas tendem a piorar – salvo milagre que, obviamente, não há de se dar durante os cultos conduzidos por malafaias e felicianos.

Digo isso porque não acredito em dias melhores, menos homofóbicos, num país cujas escolas são impedidas – por setores conservadores da sociedade e da classe política – de adotar material didático que trata de questões de identidade e gênero (o chamado “kit gay”). Ou cujos governos cedem à pressão de tais setores – que consideram qualquer debate sobre o tema um incentivo à “promiscuidade” – e deixam de usar as salas de aula para combater a ignorância e o preconceito.

Também não acredito em dias melhores num país cujos atuais e temerários inquilinos do poder – em pleno século 21 – extinguem justamente o ministério ligado aos direitos humanos e planejam limitar os investimentos em educação (logo ela), desvinculando-os dos percentuais mínimos garantidos em lei. A fixação de um teto para os gastos na área certamente comprometerá não só a expansão e o desenvolvimento das redes de ensino fundamental e médio, como ainda a criação de vagas nas universidades e, consequentemente, a já precária qualidade de vida da população – em especial das comunidades mais vulneráveis, entre as quais as minorias sexuais.

Nesse sentido, caminhamos na contramão do que sugere um relatório recente das Nações Unidas sobre a América Latina, que pede que os governos locais, mesmo em tempos de recessão, não abortem as políticas referentes ao enfrentamento, por exemplo, da violência de gênero – políticas essas que possibilitaram conquistas sociais e econômicas a grupos historicamente relegados à marginalidade, como o LGBT.

Não bastasse todo esse retrocesso, há ainda uma milícia de parlamentares em Brasília disposta a derrubar o Estatuto do Desarmamento e liberar o porte de armas de fogo. É a tal bancada da bala. Financiada por fabricantes de... armas, ela vem recrutando cada vez mais seguidores com seu discurso bélico, segundo o qual todo cidadão “de bem” – hétero, claro – deve ter o direito de andar armado para se defender.

Como se vê, cidades como Orlando não são tão distantes quanto imaginamos. Quisera eu dizer isso porque mais brasileiros têm realizado o sonho de conhecer a Disney. Mas não. A boate Pulse, onde dezenas de pessoas foram assassinadas com um fuzil cuja munição era a homofobia, podia estar em qualquer uma de nossas esquinas.

Se ainda não está, sobra gente por aqui querendo abrir umas franquias.







Fábio Flora é autor de Segundas estórias: uma leitura sobre Joãozito Guimarães Rosa (Quartet, 2008), escreve no Pasmatório, tem perfil no Twitter e no Facebook.

2 comentários:

Projeto Educação em Direitos Humanos disse...

Estamos juntos na luta Fabio! Parabéns pelo texto tão elucidador e provocador. Ana Maria

29 de junho de 2016 00:09
Fábio Flora disse...

Sou eu quem agradece a atenção, Ana Maria. Grande abraço. :-)

29 de junho de 2016 08:52

Postar um comentário

Seja educado. Comentários de teor ofensivo serão deletados.