quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Elegia da Noite



Entre penumbras e sombras
sobras e restos de cores
de luzes ausentes...

abertas asas de ave em
secreto luar de estrelas

: vives!

Entre orvalhos de aurora
cantares de galos e galos
em matinais cores...

claros horizontes abertos
estrelas falecidas

: morres!

Abilio Pacheco
abiliopacheco@bol.com.br

2 comentários:

Vilma disse...

Prezado Abílio, a noite sempre ela,soberana,senhora dama que proclama os mistérios rasos! Saudações literárias,Vilma Belfort.

31 de agosto de 2009 23:46
Lice Soares disse...

Belíssimo poema, Abílio.
Para você, os meus aplausos e o meu abraço.
Parabéns!

1 de setembro de 2009 09:01

Postar um comentário

Seja educado. Comentários de teor ofensivo serão deletados.