segunda-feira, 18 de julho de 2011

DE OUTROS TEMPOS

Apresento hoje aqui um pouco mais do meu uni.verso: alguns versos do passado publicados no meu primeiro livro “Transparecer a Escuridão – produção independente de poesias e crônicas”.

O lançamento aconteceu no dia 28 de março de 1981, em frente ao “Bié Lanches” – uma lanchonete superfamosa na época, em pleno calçadão central de Americana, São Paulo.

Em meio a tantas pessoas consultadas, apenas duas, eu disse duas, foram 100% receptivas ao meu projeto e incentivadoras na realização do meu sonho, a quem tenho muito a agradecer: António Zoppi (jornalista e escritor) e Walther De Faé (professor, escritor e crítico literário).

Destaco trecho da matéria “Livro obteve sucesso”, veiculada no Domingo Jornal após o evento: “Fato interessante de notar é que o livro de Geraldo é o terceiro do gênero, num prazo de aproximadamente um ano, a ser editado pelos próprios autores, casos de António Zoppi e Waldemar Tebaldi. Isso, claro, constitui-se num dado alentador, principalmente numa cidade onde o trato com a literatura é raro hábito entre seus habitantes. Aliás, também interessante de ser ressaltado foi o comportamento das pessoas que foram atraídas ao local devido à aglomeração junto à mesa onde o escritor autografava seus livros. Curiosos se aproximavam mas evitavam tocar nos livros ou mesmo manuseá-los. Essa inibição deve-se, na certa, à falta do hábito de leitura de livros ou mesmo do desconhecimento do que seja o lançamento de um livro. Principalmente se é feito sob animação, música à vontade e farta presença de público jovem, na porta de um bar do convívio.”

Só para complementar: fizemos um tacho gigantesco de caipirinha que era distribuída à vontade entre os presentes e passantes. Na ocasião, em apenas duas horas de lançamento, foram vendidos mais de 100 exemplares.

Produzido nos tempos do linotipo e do clichê, a capa de “Transparecer a Escuridão” foi uma criação conjunta com o amigão e também publicitário Antonio Silvio de Andrade, que, com muita arte e carinho, cuidou da sua finalização. Como costumava brincar com ele: “Impossilvio” não reconhecer seu talento! Valeu, Silvião!



ÁGUAS ORIENTAIS


Você, que é fonte da volúpia,
Persiste sobre o meu mais profundo ser.
E, das suas águas, quero que saiba,
Eu quero beber.

Nada adianta esconder os sentimentos.
Suas águas sequiosas não resistirão.
E, nas cataratas dos nossos pensamentos,
Nada de solidão.

Eu quero deslizar sobre seu corpo.
Descer a cachoeira do prazer.
Sentir o padecer das turvas taras.
E, ao mesmo tempo, seu corpo esvaecer.

Eu quero sentir as suas água
Inebriadas a seguir pelo meu leito
Numa incessante queda de desejos
Em nossos momentos íntimos de pleito.

DE SÚBITO, AMARILIS


E lá vinha ela
Seus passos a desfilar poesia,
Alindando ambientes.
Seu corpo trajando alegria,
Bem o quero.
Seus olhos retocados de romance,
Cantigas de amor.

E aqui estava ela
Seus lábios sedentos brilhavam pureza,
Dádiva dos seus.
Sua cútis macia rubra de ruge,
Enfeitiçando coração.
Seus olhos retocados de romance,
Fartura angelical.

E lá ia ela
Sua cabeça refletindo aventuras,
Gatinha siamesa.
Seus traços delineando ternura,
Harmonia edênica.
Seus passos arrastando ranhuras,
Indizível sensação.

E lá se foi...

 
HUMOR DO AMOR


Enquanto que
O canto que-
Ente
O pássaro assovia,
Aço via
Penetrar no peito.
E no deleite,
Assim no leito,
Que seja com quem for,
Desde que se arda
Em fruto-fulgurante amor,
A queimadura
Ferva as mais
Sensíveis partes
Inerentes.
Enquanto
O encanto
Do canto
Vibra delicioso as cordas vocais,
O pássaro alado
Bica fascinado
O assinado
Do peixe assim a nado.
E o nado
Do nada
Vertente como fada
Na cabeça camuflada
Das pétalas,
Margarida prazerosa,
Esfolheadas,
Vivem a acidez
Do aço.
Vivem a placidez
Da gravidez.
Vivem o amor
E jamais ocultam
E esquecem.
Nunca apagam
Os vestígios
Com os vestidos,
Nem tencionam carcomer
As cicatrizes
Que as cicas atrizes
Atrozes
Pincelaram,
A TROTES,
Pela consubstanciada
Essência das carnes
A se enxertarem,
Carne a carne,
Olho a olho,
Canto a canto,
Órgão a órgão.
Não negam jamais
A cuspida do humor
Do humor do amor.


O ECOSSITEMA

A poluição do ar intoxicou.
A poluição das águas envenenou.
A poluição do solo contaminou.
A poluição acústica perturbou,
                                  surdificou.
A poluição da mente condicionou,
                                    massificou e
                                             agrediu.
A poluição dos alimentos oxidou, cancerizou.
A poluição radioativa (o lixo atômico) invalidou.
A poluição térmica febricitou.
A poluição energética paralisou, perigou.
O meio ambiente desequilibrou. Morreu!



Abraços literários e até +.






14 comentários:

edweinels disse...

As ÁGUAS da maravilhosa poesia de Geraldo Trombin chegaram e fascinaram a este colega no Oriente. Parabens, Poeta!

18 de julho de 2011 08:10
geraldo trombin disse...

Grande, Ed. Obrigado por estar sempre por aqui com palavras de incentivo.
Abraços

18 de julho de 2011 08:30
Sérgio Bernardo disse...

Parabéns, Gera, 30 anos batalhando na causa literária não são para qualquer escritor. Apenas para os têm a literatura como "tara" congênita! Aquelabraço, e vamos que vamos!

18 de julho de 2011 10:41
Jussára C Godinho disse...

Parabéns, Gera, teu EU "desfila Poesia".
Abraço.
Jussára

18 de julho de 2011 11:14
Blog do Piaia disse...

Muito gostoso um flash-back literário pra começar a segunda feira.
Lembro-me muito bem dessa época e de toda a emoção que nos envolveu pelo lançamento de seu livro. Meu exemplar autografado está guardadinho, lido e re-re-re-re-re-re... lido.

18 de julho de 2011 11:19
geraldo trombin disse...

Sérgio, nem tinha me dado conta dos anos... Como passou rápido.
Ju, quando dá a gente sempre prepara um desfilezinho... rsss
Piaia, realmente foi uma emoção única aquele lançamento realizado de
um jeito meio tupiniquim... Mas foi inesquecível, muito legal.
Bons tempos, boas lembranças!

18 de julho de 2011 11:24
Cris Dakinis disse...

Querido Gera,
Obrigada pelo convite a este espaço maravilhoso de poesia que você cultiva tão bem. Belíssimos poemas, aliás, como sempre. Gostei muito do artigo sobre as suas publicações também. Meus parabéns, Amigo! Beijos, Cris:)

18 de julho de 2011 14:37
geraldo trombin disse...

Obrigado, Cris! Muito feliz por você estar aqui novamente...

18 de julho de 2011 15:41
geraldo trombin disse...

A amiga Rosana me pediu para inserir aqui também o seu comentário.
Aí vai então:

"Nossa, a pegada é a mesma de hoje um tom irônico sobre a vida, com a diferença da sua maestria na concisão. Essa história do medo aos livros, do tacho com caipirinha, amei. Não desista nunca."
Rosana Banharoli

18 de julho de 2011 15:44
Tatiana disse...

Sublime, meu amigo! A sua poesia comove e convence.
beijos

19 de julho de 2011 23:17
Amanda Reznor disse...

Geraldo querido, estou lendo os seus Só Concursados e já havia admirado a beleza das Águas Orientais, mas apenas um livro é pouco para expor em totalidade o seu maravilhoso arranjo de palavras. Muuuuuito boas!

Concordo com a Tatiana e com os colegas acima, é sublime, encanta!

Inclusive, acabo de realizar o cadastro do Só Concursados no Skoob. Assim que eu terminar de ler posto uma resenha lá e no meu blog também =]

BjsS!!!

20 de julho de 2011 09:20
geraldo trombin disse...

Tati, agradeço as palavras e o carinho.

Amanda, ontem mesmo tinha visto a inserção que fez no Skoob... Gracias... pelo apoio...

Meninas e galera em geral, obrigado mesmo, pela leitura, pela força e incentivo, o que me motiva a continuar fazendo essas mal traçadas linhas...

21 de julho de 2011 11:11
Sônia Barros disse...

Geraldo,
parabéns pela bela carreira literária!
Você é um exemplo de dedicação e valorização da poesia.
Um grande abraço,
Sônia

21 de julho de 2011 20:12
geraldo trombin disse...

Sônia, ainda muito a trilhar, a aprender.

Obrigado

22 de julho de 2011 13:40

Postar um comentário

Seja educado. Comentários de teor ofensivo serão deletados.