quinta-feira, 14 de junho de 2012

A democracia d@s idiotas



Eu estava fumando um e tomando um chá, quando encontrei uma velha conhecida minha, a senhora Democracia. Ao vê-la, logo acenei e rapidamente ela se sentou na mesa. Bem vestida, sorridente e cheirosa, ela logo me deu um forte abraço. Questionadora desde o ventre materno, retomei minhas indagações sobre como esta senhora se portou durante sua estadia entre nós, criaturas humanas. Ela esperta, ágil e flexível sempre, respondeu com a velha frase: "sou a melhor do que há entre os piores regimes". Revoltada, lhe questionei por que estava com aquele manto de bondade, num dia tão quente. E logo retruquei, já ciente de sua resposta, que só poderia desejar esconder algo de muito podre. Por um momento ela foi sincera e exclamou: você sabe que tenho problemas conceituais, mas vocês não tem outra alternativa além da que eu dou à organização social contemporânea. Indignada, lhe respondi que o meretrício democrático, não me parece uma alternativa que se sustente por tanto tempo em uma sociedade do conhecimento.

Diante de gargalhadas, ela expõe toda a sua perversidade: sociedade do conhecimento? ha ha ha. Não seja tola, sua aprendiz infame. Em toda a minha trajetória pessoal (em mais de dois milênios), nunca foi possível que as massas tivessem capacidade de interpretar e analisar os regimes de poder de forma efetiva, muito menos de se dar conta da força que poderiam ter, caso se insurgissem. Além disso, sempre consegui levar para a minha cama as mentes mais eretas, fossem de membr@s da elite ou mesmo do populacho. Deitei-me com @s poderos@s mais tiran@s, egoístas e até @s iludid@s que acreditavam que podiam mudar algo neste planeta. Em pouco tempo, lhe virei as mentes, lhe reposicionei os corpos, dei-lhes comida, bebida, novas vestes e amor. Entorpecid@s, quando menos imaginavam estavam a executar um projeto no qual jamais imaginariam que iriam empenhar tantos esforços sem ao menos ter consciência do que estava por trás. Nos tempos antigos, lhes ocupei com a virilidade e o desejo de guerrear. Cansada de tanto sangue, lhes dei um Deus e uma igreja para que pudessem lavar suas vestes imundas, e um pouco de erudição para que se ocupassem dignamente. Um dia decidi que precisavam de um pouco de luz, e assim @s fiz cegamente trocar o velho Deus pela Ciência, minha prima danadinha que engana muita gente. O único problema é que acabaram tendo uma indigestão e até hoje não conseguiram sair do imbróglio moderno. E graças à covardia, lentidão, fraqueza e egoísmo continuo reinando sobre essa gente.

Revoltada diante de tal descrição descarada lhe perguntei: Mas você não se envergonha disso que tem feito e das ações de sua família abominável? Mesmo idosa e considerada incapaz, continuará a atuar entre nós?

Olhando profundamente em meus olhos ela respondeu: Você sabe que já fazem muitos anos que tenho dominado a humanidade e muita gente já questiona minha capacidade de ação, é certo que em algum momento terei que me aposentar. Diante da falta de possibilidade de uma substituta à minha altura, já montei uma equipe para coordenar os regimes de organização social de vocês.

Minha tia Educação, que já tem idade, mas sempre está melhorando suas formas por meio do bisturi de um bom cirurgião, irá continuar se modificando e mostrando seus belos seios para @s jovens idealistas que desejam mamar nas tetas dos governos. Assim garantirei que o leite envenenador de mentes seja garantido para todas as crianças.

Conhece a Cultura? Minha sobrinha predileta, ela adora uma baladinha, canta, dança, escreve muito bem e encanta a sociedade com seu sorriso sexy. Deixarei ela ocupada em entreter o pessoal e silenciosamente amolecer as mentes. Para isso lhe dei um instrumento maravilhoso: a mídia. E o melhor, até quem a ataca, adora aparecer nela. Jogo com o eterno narcisismo que está impregnado nesta espécie. Com a criação das redes sociais, e tal nome não é à toa, uma vez que é na rede que pego os peixes, a coisa ficou muito fácil, chego até a achar patético. E já ia me esquecendo, também já falei com meu contador e lhe deixarei a Indústria Cultural para que ela possa realizar este projeto, além de garantir seus meios de sustento.

Para um público seleto, deixo minha irmã, a Fé, ela foi muito atuante durante a idade média, e permitiu que eu pudesse fazer manobras que deixariam @s polític@s brasileir@s de cabelo em pé. Como uma pessoa perseverante, discreta e solidária, ela há de atuar socorrendo as pessoas em crise e lhe abrindo os braços para que sejam acolhidas, além de colocar essas belas criaturas no berço da imbecilidade eterna. Bem tenho, que ir, meu avião sairá às 17 horas.

Ops. Já ia me esquecendo de um detalhe fundamental. A Fé, a Educação e a Cultura, não podem ficar desprotegidas e já convoquei as forças coercitivas, meras operadoras inconsequentes de algo que mal compreendem, para dar conta de gente que tanta sair da linha e desrespeita nossa família institucional. Assim, pretendo garantir uma sobrevida para a dinastia democrática. Cada vez mais sutil, discreta e poderosa. Pouco a pouco minha família tem dominado a privacidade das pessoas e o melhor, elas adoram e contribuem para isso. Nada foge de nosso domínio, hábitos, comportamentos, ideias, práticas ... Tudo o que o ser humano jamais pensou ser possível, fomos capazes de criar nessa última geração, mas um detalhe é fundamental, de forma Democrática. Há algumas maldosas que ao saber dos meus lances amorosos desqualificam meus interlocutores. Mas não tem problema, eu me orgulho, por ser a legítima, única e poderosa DEMOCRACIA D@S IDIOTAS!

Tatyane Estrela é graduanda no Bacharelado em Ciências e Humanidades e no Bacharelado e Licenciatura em Filosofia na Universidade Federal do ABC. Integrante do grupo de pesquisa ABC das Diversidades. Bolsista de iniciação científica do CNPQ, no qual desenvolve pesquisa com o seguinte tema: Formação e atuação de entidades de representação LGBT no grande ABC: Impactos na formulação de políticas públicas.

3 comentários:

Anônimo disse...

"Minha tia Educação, que já tem idade, mas sempre está melhorando suas formas por meio do bisturi de um bom cirurgião, irá continuar se modificando e mostrando seus belos seios para @s jovens idealistas que desejam mamar nas tetas dos governos. Assim garantirei que o leite envenenador de mentes seja garantido para todas as crianças."

Se a tia, já idosa, da tão famosa democracia está sempre melhorando, por que há de levar leite envenenado às mentes de crianças? Imagine se em uma dessas modificações, o conceito que você utilizou ironicamente como melhor fosse empregada de forma pura, não teríamos uma modificação na tal tradição familiar?

14 de junho de 2012 03:40
Ana Dietrich disse...

Querida Taty, você saber expor suas ideias de um jeito inteligente e sutil. Concordo com todas elas, esses ideais abrigados institucionalmente estão velhos, cheios de poeira, se quiser que algo novo apareça é necessário rever, ressignificar...Faltou vc. falar da prima rica, a Política e da prima pobre, a ética, espero ver nos próximos posts, bjs da fã. Ana Maria

14 de junho de 2012 12:43
Anônimo disse...

Música? Cadê?

14 de junho de 2012 20:10

Postar um comentário

Seja educado. Comentários de teor ofensivo serão deletados.