quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Berlim é um quadro de avisos





      Quando fiz minha primeira festa aqui em Berlim, me falaram que era costume avisar aos vizinhos. Deixar na entrada do prédio um bilhete com data, hora e razão da festa, assim como um pedido retórico de desculpas pelo "possível incômodo". Esse tipo de comunicação é bem forte por toda a cidade, não apenas nos corredores dos prédios, mas também em postes, janelas, vitrines, cercas, placas de rua, enfim, em todos o lugares possíveis você pode encontrar bilhetes, recados e pedidos dos mais variados.
       Do comum aviso na vitrine/porta da loja até a procura de um novo apartamento. Alguns outros temas são constantes, como roubo de bicicleta, perda de chaves, procura da pessoa com quem flertou no metrô, avisos ameaçadores a quem "se alivia" na porta do prédio, ou reclamações de vizinhos, como o pedido para amantes barulhentos fecharem as janelas, e por aí vai.

Um consolo pela bicicleta roubada: ameaça de vingança...



A loja está fechada até segunda, por conta do calor. O funcionário do correio se manifesta: "Eu também quero."
 
  Alguns destes recados são engraçados, criativos, alguns agressivos. Também não é raro alguém escrever um comentário, dar uma resposta, formando um certo diálogo entre "as partes". Concorrendo com cartazes, grafites e outras artes de rua, os recados fazem da cidade um enorme quadro de avisos.
   
"Ao ladrão de tapetes: Este tapete só custou 2.99 €, compre vc mesmo um!!"

O jornal "Die zeit" é meu! Que um raio caia sobre o ladrão, quando ele estiver cagando!
Procuro um terreno em Berlim. Por favor, avise na farmácia.
   
      Há alguns anos um rapaz começou a postar estas "notas" num blog: Notes of Berlin - http://www.notesofberlin.com -  com a colaboração de muitas pessoas, que enviam estas pérolas berlinenses. O assunto cativa tanto, que está previsto para o ano que vem um filme sobre o tema "Notes of Berlin". A diretora Mariejosephin Schneider encena episódios que contam as histórias por trás dos recados de rua. Estou curiosa para ver como ela vai mostrar esse lado de Berlim.
   

Ana Valéria mora em Berlim e trabalha como tradutora.  

2 comentários:

Anônimo disse...

Genial, sua matéria Ana Valéria!
Muito interessante esse costume dos berlinenses, obrigada por nos trazer
esses aspectos culturais da cidade onde vc vive, sou sua leitora contumaz.
Também estou curiosa para ver o filme da Schneider...

Tereza Virgílio.

4 de outubro de 2015 22:46
Ana Valéria disse...

'Brigada, Tereza. Fico feliz!

14 de outubro de 2015 08:15

Postar um comentário

Seja educado. Comentários de teor ofensivo serão deletados.