segunda-feira, 8 de abril de 2013

Apresentação da coluna e graffiti


A ideia para elaborar esta nova coluna nasceu das boas prosas com a minha orientadora, Pós-Doutora pelo Departamento de Sociologia da Unicamp Ana Maria Dietrich, e outros estudiosos. Os objetivos norteadores para o desenvolvimento desta coluna serão as relações sociais e manifestações culturais, tema que tem sido um difícil desafio para uma gama de estudiosos, antropólogos, historiadores, sociólogos, filósofos, literários e pensadores em geral. Na contramão das racionalizações e teorias, encontram-se as expressões artísticas como a fotografia, o cinema, a canção, a arte urbana, a poesia, a literatura... vemos no cenário urbano produções estéticas com significativas expressões que auxiliam (ou não) a entender a contemporaneidade.

Ao refletirmos sobre tais questões, surgiram algumas dúvidas:


  •     - Será que as expressões artísticas conseguem traduzir os impactos sociais posterior a Revolução Industrial?  
  •     - Relações sociais expressas no nosso tempo;
  •     - As transformações sociais, o cotidiano e a alienação;
  •     - A indumentária e a mutação do corpo humano;
  •    - A arte é capaz de descrever e de transgredir por meio da difusão de valores não convencionais?
  •     - As políticas públicas favorecem as manifestações artísticas? 
  •     - Todos movimentos sociais seriam movimentos de resistência? 
  •    - Quais interesses da classe dominante em estabelecer relações com os movimentos sociais?
  •     - De que forma os fatos sociais são abordados pela mídia?

Esses e outros questionamentos em relação a urbe e as relações sociais serão levantados, no anseio de realizar uma reflexão sobre as produções que estão ligadas com as condições do processo de mundialização do capital. Produções que englobam variados aspectos da vida social e da paisagem, um fenômeno global que ecoa e, cada vez mais, é evidenciado em todos os espaços do mundo.

Inclusive, chegamos a montar um ciclo de atividades no evento Tardes Filosóficas na Casa da Palavra em Santo André.

Casa da Palavra, Praça do Carmo, Centro - Santo André, SP
http://casadapalavrasa.blogspot.com.br/


"O tradicional projeto Tardes Filosóficas retorna com novas temáticas, propondo uma abordagem simples sobre questões da filosofia, da arte e da literatura, e fornecendo um espaço de debate e reflexão filosófica ao público interessado. Nesses encontros serão discutidos temas centrais da experiência humana, abordando antigos e novos problemas do conhecimento e das artes de maneira simples e acessível, mas sempre com a inevitável profundidade de pensamento que é marca das discussões filosóficas. Estas tardes são, além de uma fonte de prazer e reflexão, uma fuga do banal, do senso comum e da desinformação do cotidiano. O ciclo tem início dia 19 de março, e continua até o final de novembro, com breve intervalo no mês de julho, sempre aos sábados."


Fonte: 
http://casadapalavrasa.blogspot.com.br/2011/03/tardes-filosoficas-cronograma.html acesso 7/4/13.


Pretende-se, portanto, pensar as relações sociais urbanas destacando-se as linguagens artísticas: fotografia, música, cinema, consumo e arte urbana, metaforicamente denominados como "Ecos da Urbanidade".

Falando em arte urbana nessa semana, não poderia deixar de divulgar as várias atividades relacionadas ao Graffiti. Acredito que uma das ações mais relevantes desta arte são as manifestações políticas, lembremos de 1968 na França a greve geral no país e as pichações dos estudantes nos muros com palavras de ordem, poesias...

Dia 27/03 é considerado o Dia do Graffiti em SP, aqui existe a lei Cidade Limpa que criminaliza a arte de rua, em contraposição, essa data tenta legitimar o graffiti como expressão cultural, com anseio de no minimo existir políticas públicas voltadas para esta arte pública(!). A escolha desta data foi principalmente motivada pelo falecimento de um dos precursores do graffiti no Brasil, o artista visual Alex Vallauri em 1987. 



Ontem, dia 07/04/2013 ocorreu mais uma edição do "Dia do Graffiti" no Bixiga, evento promovido pelo coletivo Ocupaí Bixiga, que tem como objetivo modificar a tradição deste Bairro paulistano e beneficiar todos os transeuntes e os moradores articulando os diversos agentes para consolidar o local como um pólo com diversas manifestações culturais.

Flyer do VII Dia do Graffiti no Bixiga.



As suas ações podem ser consultadas no sítio:


Se tiver um tempinho, assista o teaser do evento:



Stencil no Bixiga. Fonte: Facebook.


Se quiser assistir ao vídeo do evento (duração de +/-9 minutos) com depoimentos e show acesse: http://vimeo.com/39974462


E a partir do dia 8 até o 13.04.13 em Fortaleza, terá a 1 semana do Graffiti, com diálogos, oficinas e outras manifestações culturais com os temas: Graffiti, Muralismo e a Pichação dentro do contexto urbano. A Abertura será transmitida ao vivo, no Vila das Artes e terão várias intervenções pela cidade.

Mapa com os pontos de realização da
I Semana do Graffiti de Fortaleza.



Trabalho do artista Narcélio Grud, no prédio da Reitoria da UFC, no Benfica
Fonte: 
http://diariodonordeste.globo.com/ Acesso dia 08.04.13

PROGRAMAÇAO:

08/04 (seg) 

19h - Abertura da Iª Semana do Graffiti de Fortaleza - na Vila das Artes. 

- Debate com o secretário de Juventude Élcio Batista, o secretário de Cultura Magela Lima, o curador do evento Narcélio Grud e outros artistas convidados. 



09/04 (ter) 

9h às 17h - Graffiti no Bairro Ellery 

- Oficina de Graffiti - duas turmas: 

das 8h às 11h e das 14h às 17h, com 30 alunos cada 

- Pintura Coletiva com os artistas convidados e alunos 



10/04 (qua) 

6h às 12h - Ação de pintura na Praça do Ferreira. 

Tenda com DJ e B-boys 



11/04 (qui) 

9h às 17h - Ação de Pintura na capela ao lado do CUCA V (Mondubim) 

- Pintura Coletiva 



12/04 (sex) 

9h às 17h - Graffiti no CUCA VI (São Cristóvão) 9h às 17h 

Pintura Coletiva 



13/04 (sáb) 

9h às 17h - Mutirão na Praça do Futuro - Mural Coletivo 9h às 17h 

- Festa de encerramento na Praia do Futuro 



Um marco da história do reconhecimento do grafitti como arte no Ceará,
a exposição "Ocupação" reuniu obras de 18 artistas no Museu de Arte da UFC.
fonte: O Diario do Norteste. acesso 8.4.13


Emerson Emol (SP)
Fonte: http://www.tembiu.pro.br/oktiva.net/1209/nota/162477 

Segundo dados do estudo realizado em 2010 pela Central Única das Favelas (CUFA), na Região Metropolinana de Fortaleza tem 18 mil pichadores.(Leiam matéria a respeito: Vandalismo esconde a beleza a história das Iracemas da Capital

Essa semana é uma ação apoiada pelo setor de Políticas Públicas de Juventude e o curador é o grafiteiro Narcélio Grud, este comentou acreditar que "O spray é uma ferramenta de expressão". 



Soraia Oliveira Costa, mestranda na área de História da Ciência na UFABC. Bacharel e Licenciada em Ciênciais Sociais pelo Centro Universitário Fundação Santo André (CUFSA). Trabalha também com audiovisual desde meados de 2007, quando começou a investigar as relações sociais, a sociedade, o cenário urbano, a natureza, o trabalho, os transportes, o comportamento, a cultura, a arte... 





2 comentários:

ContemporARTES Revista de Difusão Cultural disse...

parabéns pela nova coluna soraia! abraços ana maria

18 de abril de 2013 12:33
Soraia disse...

Muito obrigada pelo espaço e apoio, Ana!

Forte abraço!

30 de abril de 2013 01:08

Postar um comentário

Seja educado. Comentários de teor ofensivo serão deletados.